Topo

Morre o genial Lee 'Scratch' Perry. E o mundo fica normal demais sem ele

exclusivo para assinantes
Pedro Antunes

Colunista do UOL

29/08/2021 13h21

Não é exagero dizer que rap e o reggae existiriam como os conhecemos se não fosse a transcendental passagem de Lee 'Scratch' Perry por aqui, encerrada na manhã deste domingo, 29, aos 85 anos.

A notícia foi publicada pelo jornal "The Jamaican Observer" e confirmada pelo primeiro-ministro jamaicano Andrew Holness, em uma homenagem publicada no Twitter.

'Scratch' Perry era um fenômeno que nunca aprendeu a ler ou escrever música. Nem precisou disso. E fez com que sua obra e suas produções fossem de carne e osso, sem o barroquismo de quem estuda demais e se aprisiona covardemente pela técnica excessiva.

Algumas pessoas são mais cerebrais, outras emocionais. Algumas equilibram-se entre os dois lados. Perry era coração. Uma explosão intuitiva, criativa que entortava a realidade e os paradigmas da música até transformá-los de vez.

Perry ajudou a fomentar as complexidades dos ritmos que criaram o reggae produzindo as primeiras grandes gravações de Bob Marley & the Wailers, como "Soul Rebel" (1972) e "Small Axe" (1973).

Também estabeleceu a musicalidade do movimento rastafari com músicas como "Thieves", de Junior Murvin e "War Ina Babylon", de Max Romeo.

Com o single "I Am the Upsetter", de 1968, o artista jamaicano apresentou-se ao mundo como este "upsetter", que em uma tradução livre pode ser compreendido como este "incomodador" ou "perturbador".

Nunca fez tanto sentido. A passagem de Perry por aqui não serviu para manter o status quo e as estruturas intactas. Ele era este agente bem-vindo do caos, com um espírito confrontador que elevou o reggae, no fim dos anos 60 e início dos anos 70, e foi além.

E enquanto definiu o que entenderíamos do gênero jamaicano nos anos seguintes, ele também estudou a evolução dele, o dub, um gênero eletrônico com remixes e recortes dissidente do reggae. Figura importante deste movimento musical de vanguarda, lá esteva Perry na fundação do que, décadas depois, entenderíamos como hip-hop e a própria música eletrônica.

Ao longo deste caminho, Perry nem sempre foi compreendido. Foi chamado de louco ou o charlatão, mas também o profeta e o gênio. Capaz de levar a ultrapassar os limites estabelecidos pela normalidade, talvez Perry tenha sido tudo isso, mesmo. Seja como produtor, dono de selo, entusiasta, Perry sempre foi o exemplo de alguém que não se prendeu.

Ao jornal The Guardian, em 2016, ele falou:

"Eu sou o príncipe e a música é a rainha."

"Ele é um mistério. O mundo é seu instrumento. Você só precisa ouvir. Mais do que um produtor, ele sabe como inspirar a alma do artista. Scratch é um xamã", disse Keith Richards, em 2010, que seguiu com esta comparação que, para mim, é maravilhosa:

"Você nunca poderá dizer algo sobre Lee Perry. Ele era o Salvador Dali da música"

Sem Perry, o mundo fica um pouco normal demais.

Você pode falar comigo aqui, no Instagram (@poantunes) e no Twitter (também @poantunes).

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Morre o genial Lee 'Scratch' Perry. E o mundo fica normal demais sem ele - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL