PUBLICIDADE
Topo

Página Cinco

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O Brasil de violências, sonhos e paixões: papo com Itamar Vieira Junior

Conteúdo exclusivo para assinantes
Página Cinco

Rodrigo Casarin é jornalista e especialista em Jornalismo Literário. Escrevendo sobre livros, já colaborou com veículos como Valor Econômico, Aventuras na História, Carta Capital, Revista Continente, Suplemento Literário Pernambuco, Jornal Rascunho e Cândido. Integrou o júri do Oceanos ? Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa em 2018, 2019 e 2020 e o júri do Prêmio Jabuti em 2019, na categoria Biografia, Documentário e Reportagem. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Colunista do UOL

17/09/2021 04h00

Na 95ª edição do podcast da Página Cinco:

- Papo com Itamar Vieira Junior, autor de "Doramar ou A Odisseia" e "Torto Arado" (Todavia).

Alguns destaques do papo com Itamar:

Olhar

Esse país tão multicultural, multiétnico, muitas vezes não está tão bem representado nas artes. A arte, principalmente a literatura, é um espaço muitas vezes elitizado, de uma pequena elite que escreve e consegue publicar. Daí a minha grande questão de voltar os olhos dessa arte para outros lugares, que muitas vezes não estão sendo olhados da maneira devida, para dali extrair algo que pode ser poderoso.

Compromisso com a escrita

O meu projeto literário não pode ser moldado nem pelo que a crítica espera ler nem pelo que os leitores esperam ler. É algo que deve correr independente. É aquele meu vínculo com a própria escrita, que vem de muito tempo. Não estou dizendo que o que escrevo seja maravilhoso ou perfeito, muito pelo contrário. Mas não posso escrever a partir de uma expectativa de mercado, de crítica ou de leitores.

Qual é o nome?

Títulos de livros, títulos de histórias, exigem muito do autor. Eu, por exemplo, tenho pavor de títulos grandes, que são frases inteiras e você se perde no meio, não consegue lembrar de jeito nenhum. Acho que título tem que ser direto, com palavras fortes e que demarquem muito bem o que está ali naquele volume, naquele romance.

Religião

Não sou religioso, mas me interesso muito pela linguagem mística. Ela faz parte da dimensão humana e é algo que podemos explorar de uma maneira muito direta. Aquilo vai dar muitos sentidos para nossa própria humanidade. Se você vai falar de alguém, deve falar daquela pessoa por completo, e a dimensão religiosa nunca pode ser desprezada, se ela de fato existe. Costumo me interessar pela religião muito por guardar essa dimensão onírica da vida humana. Aquilo que a gente não pode tocar, não pode ver, mas que está em muitas culturas desde tempos imemoriais.

Os animais

Parte da minha compreensão, da minha humanidade, daquilo que é relevante pra mim, de que no planeta Terra não há uma espécie dominadora e outras espécies a serem dominadas, talvez parta de um senso de equidade que tento cultivar em relação a tudo o que é vivo. O mesmo ocorre com as plantas, com toda forma de vida. Não há uma forma de vida superior. Toda vida é importante e relevante.

Sentimentos dos seres vivos

O sofrimento não é algo apenas humano. Os animais e as espécies vegetais, segundo cientistas, também conseguem sofrer. Da mesma maneira com outros sentimentos: o de alegria, de encontro. Tudo isso são sentimentos comuns aos seres vivos.

Clarice Lispector

Ler a Clarice é uma espécie de benção e ao mesmo tempo frustração. Benção porque a gente tem contato com uma obra tão profunda e imortal. Frustração porque, se a gente quer escrever, a gente lê Clarice e termina achando que só existe uma forma de escrever: escrever como ela. E ninguém consegue repetir o que a Clarice fez.

A foto de Itamar usada na arte do episódio foi feita por Adenor Gondim.

O podcast do Página Cinco está disponível no Spotify, na Apple Podcasts, no Deezer, no SoundCloud e no Youtube.

Você pode me acompanhar também por essas redes sociais: Twitter, Facebook e Instagram.