PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Larry King apresentou o primeiro talk show com audiência global

Larry King comandou um talk show na CNN entre 1985 e 2010 - Reprodução/Instagram
Larry King comandou um talk show na CNN entre 1985 e 2010 Imagem: Reprodução/Instagram
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

23/01/2021 14h04

Lançada em junho de 1980, a CNN estreou cinco anos depois o "Larry King Live". O talk show se tornou em pouco tempo o programa de maior audiência do canal e o que ficou mais tempo no ar, deixando a grade apenas em 2010.

Em função do alcance da CNN nos primórdios da TV paga em dezenas de países, Larry King, que morreu neste sábado, se tornou apresentador do primeiro talk show global da televisão. Apresentado de segunda a sexta, chegou a ser exibido em 220 países ao mesmo tempo.

O livro que comemorou os primeiros dez anos do programa, "O Melhor de Larry King - As grandes entrevistas", dá uma boa ideia do rápido prestígio alcançado pelo apresentador. Estão ali as entrevistas com Frank Sinatra, Stephen King, Marlon Brando, Bill Cosby e Mike Tyson, entre outros.

Entre as muitas entrevistas históricas, Larry King conseguiu, em dezembro de 1992, ouvir Mark David Chapman, o assassino de John Lennon, preso desde 1980.

Com seu jeito simpático, do tipo que mais levanta bolas para o entrevistado do que corta, Larry King ouviu alguns dos principais políticos não apenas dos Estados Unidos, mas do mundo. A lista dos primeiros dez anos inclui Richard Nixon, Ronald Reagan, Jimmy Carter, Bill Clinton e também Margaret Thatcher e Mikhail Gorbachev.

Criticado justamente por não se preparar com muita profundidade para as entrevistas, King dizia que, de fato, não fazia muita pesquisa prévia para que pudesse aprender sobre os entrevistados ao mesmo tempo que os espectadores.

"Meu dever, a meu ver, é ser um condutor", disse em uma entrevista, em 2007. "Faço as melhores perguntas que posso. Escuto as respostas. Tento acompanhar. E espero que o público chegue a uma conclusão. Não estou lá para tirar uma conclusão".

Afastado da CNN em 2010, Larry King continuou trabalhando. Estreou o programa "Larry King Now", exibido no Hulu. Também criou uma atração para o canal russo RT América.

King morreu neste sábado, em consequência da covid-19. Nascido em novembro de 1933, tinha 87 anos.