PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

Âncora vai além da descrição de racismo e cobra: "Está tudo certo assim?"

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

14/01/2021 14h53

Ancorando o "SP 1" nesta quinta-feira (14), o jornalista Fabio Turci fez um comentário contundente sobre o racismo no Brasil. Após a exibição de uma reportagem que mostrou a história de um rapaz que foi abordado pela polícia porque "tem cara de ladrão", o apresentador resolveu falar de um colega de trabalho, operador de câmera do mesmo telejornal.

"O Itamar um dia foi parado pela polícia porque estava dirigindo um carro bacana, um carro da família dele, e o policial com a arma na mão perguntou o que ele estava fazendo", contou Turci.

"O mesmo Itamar um dia foi seguido por seguranças de um shopping center. Inclusive ele ouviu um deles chamando reforço. Itamar tinha ido sacar dinheiro no shopping center. Essas coisas acontecem... A gente que é branco que não sabe, porque com a gente isso não acontece".

Em seguida, o apresentador provocou o espectador: "O nosso papel é informar. A gente está levando informação a você e o que você faz com essa informação? Você se conforma? Está tudo certo assim? Ou você acha que isso não está certo, que isso não está justo e você acorda e tenta fazer alguma coisa?"

A atitude de Turci é mais um exemplo recente em que apresentadores de telejornais da Globo vão além da mera leitura de notícias e avançam na interpretação dos fatos.

Na semana passada, no "Jornal da Globo", Renata Lo Prete rebateu uma crítica do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, justamente sobre esta postura. "Não queremos a interpretação do fato dos senhores. Não queremos tendência ideológica ou de bandeira. Eu quero assistir à televisão e ver a notícia, o fato", reclamou o ministro no dia em que o Brasil atingiu a marca de 200 mil mortos pela covid-19.

Renata explicou, didaticamente: "O ministro Pazuello parece não saber que interpretar significa dar sentido às coisas. Sem interpretar, você não informa corretamente, você é enrolado. Mas não tem importância não ele saber disso. O importante, aos 10 meses de pandemia com sete meses no cargo, é ele entender de vacinação".