PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Fefito

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Documentário da HBO sobre acusação de abuso contra Woody Allen é devastador

Woody Allen é acusado de abusar sexualmente de sua filha, Dylan Farrow, quando ela tinha sete anos -
Woody Allen é acusado de abusar sexualmente de sua filha, Dylan Farrow, quando ela tinha sete anos
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

22/02/2021 01h48

Os últimos meses têm sido repletos de documentários expondo uma série de abusos cometidos por homens poderosos contra mulheres. Desde a explosão do movimento #MeToo e das denúncias contra Harvey Weinstein, as produções audiovisuais têm se proposto a mostrar que o problema é mais profundo, como retratado em "Sobrevivendo a R. Kelly" ou "Jeffrey Epstein: Poder e Perversão". A HBO, que já havia investigado acusações contra Michael Jackson (1958-2009) em "Leaving Neverland", agora volta suas atenções para Woody Allen.

Dividida em quatro episódios, a série documental "Allen Contra Farrow" tenta esclarecer as acusações de abuso sexual contra a própria filha que paira sobre o cineasta. E, a julgar pelo primeiro capítulo, exibido neste domingo (21) pelo canal a cabo, o resultado é devastador para o diretor. Uma das figuras mais populares do cinema americano, Allen viveu uma longa relação com Mia Farrow. A atriz, que já era mãe de sete crianças - muitas delas adotadas e vindas de outros países -, passou a criar mais dois filhos depois de começar a namorar o cineasta.

Os relatos na série são sempre diretos e sem rodeios. Allen, como o próprio confirma em autobiografia, não queria ter nada a ver com as crianças, ainda que topasse ter filhos com Farrow. Toda a criação, trabalho e custos ficariam por conta dela. Não fosse estranho o suficiente, o diretor começou a se apegar de maneira quase obsessiva a Dylan Farrow, garotinha recém-adotada pelo casal. Tamanho era o grude que a menina começou a se esconder do pai sempre que o via.

Há testemunhos de pessoas próximas à família afirmando que testemunharam Allen ensinando a filha a chupar seu dedo e usar sua língua. Da mesma maneira, há quem tenha visto ele de cueca forçando intimidade com a menina, sozinho, em seu quarto. Há até mesmo um alerta dado por uma psiquiatra. Tida como louca por desconfiar, Mia Farrow convence o namorado a buscar tratamento e a conclusão é de que o comportamento dele poderia ser visto como sexual, mas não o seria de fato. Ele só não sabia se relacionar com crianças, era "inapropriadamente intenso".

Para a atriz, o argumento se sustentou por muito pouco tempo. Logo depois, descobriu uma série de fotos de sua filha mais velha, Soon-Yi, nua, tiradas pelo cineasta. E assim se encerra o primeiro episódio. Allen nega que tenha cometido abusos contra Dylan. Atualmente ele é casado com Soon-Yi. Isso não significa, no entanto, que os relatos não causem ainda mais dano à sua carreira. É uma história absolutamente devastadora.

"Allen Contra Farrow" não traz necessariamente fatos novos, mas, ao unir histórias que já vinham sendo contadas aos poucos, choca qualquer um - fã ou não dos envolvidos na história. Impossível sair ileso e sem estímulo a uma reflexão profunda.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL