PUBLICIDADE
Topo

Clássico, tapete vintage vira objeto de desejo na decoração contemporânea

Mariana Wakim, da Tapilogie, que fez do garimpo um trabalho - Arquivo pessoal
Mariana Wakim, da Tapilogie, que fez do garimpo um trabalho Imagem: Arquivo pessoal

Silvia Montico

Colaboração para Nossa

25/10/2021 04h00

É bem verdade que tapetes persas, turcos ou indianos nunca saíram de moda e são verdadeiros clássicos na decoração de interiores. Mas, recentemente, esses modelos estão com tudo e as peças garimpadas se tornaram uma tendência atual e irresistível, movimentando inclusive o mercado de curadoria de tapetes.

O frisson em torno dessas peças é tamanho que até motivou a garimpeira Mariana Wakim a fundar a Tapilogie, uma marca especializada no garimpo de peças únicas e arrebatadoras.

"Sempre fui garimpeira, mas durante a pandemia o garimpo de móveis e outras peças para minha casa se intensificou. A relação com tapetes era peculiar: garimpava um e já estava de olho no próximo.

Já estava ficando sem espaço e me dei conta de que não conhecia uma loja focada em tapetes vintage ou alguém que fizesse essa busca e curadoria para os clientes", conta.

Mariana Wakim, da Tapilogie, que fez do garimpo um trabalho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Mariana Wakim, da Tapilogie, que fez do garimpo um trabalho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal
Afetividade é um dos motivos de tanto sucesso  - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Afetividade é um dos motivos de tanto sucesso
Imagem: Arquivo pessoal
Versatilidade também é marca dos tapetes vintage - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Versatilidade também é marca dos tapetes vintage
Imagem: Arquivo pessoal

Mariana acrescenta que também sentia falta de ver referências destes tapetes em espaços contemporâneos e até minimalistas. "Queria mostrar que eles podem ir além de ambientes clássicos. E a Tapilogie surgiu com esse propósito", detalha.

A marca revende peças de segunda mão garimpadas no Brasil, mas que são quase todas originárias de países com tradição em tapeçaria como Irã, Turquia, Paquistão, Índia, China, entre outros.

Modelos em alta

Para Mariana, os tapetes vintage estão tão em alta graças à onda da busca pela afetividade que inundou a decoração de interiores.

As pessoas estão buscando essa dimensão de afetividade no decorar, onde marcas do tempo e imperfeições não são apenas aceitas, mas também celebradas como parte integrante da beleza e história da peça", frisa.

Mariana busca materiais naturais e peças com história - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Mariana busca materiais naturais e peças com história
Imagem: Arquivo pessoal

Segundo a curadora, é justamente essa unicidade de detalhes que traz personalidade aos espaços. "Os tapetes sem dúvida fazem parte deste movimento, sobretudo os feitos à mão, com materiais naturais como lã, algodão, seda. O que é antigo para uns é novidade para outros, e a melhor opção de consumo é fazer circular o que já está no mundo", declara.

Em sua experiência, Mariana conta que os modelos do tipo Kilim (palavra que vem do turco e significa dupla face) com estampas geométricas são os mais procurados.

Da paixão por tapetes ao negócio

Um dos tapetes garimpados por Paola Azevedo e Bruno Keleta - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Um dos tapetes garimpados por Paola Azevedo e Bruno Keleta
Imagem: Arquivo pessoal

A paixão por tapetes também fez com que a designer e fotógrafa Paola Azevedo e o músico Bruno Keleta, também iniciassem um novo negócio, aliado às suas profissões.

Em 2018, quando organizava uma viagem para o Marrocos, o casal começou a pesquisar sobre tapetes para entender o que gostaria de trazer para decorar sua casa.

Quando chegamos lá, a tarefa não foi fácil, pois queríamos trazer absolutamente tudo. Era um tapete mais lindo que o outro. Foi um desafio ter que escolher os que viriam na mala", conta Paola.

Na volta para casa, amigos e familiares se entusiasmaram com as peças trazidas e a ideia não saiu da cabeça dos dois. "Quando nos mudamos para um apartamento maior na pandemia, mais espaço também significou mais chão para preencher com essas belezas únicas", afirma. A busca virou uma obsessão e então o casal criou a TapisAntik.

Para Paola, as pessoas têm dado mais atenção à sustentabilidade e ao consumo consciente. Muitos têm procurado um bem durável e único em vez de um produto novo, feito em massa e que muitas vezes tem pouca durabilidade.

Com tapetes feitos à mão nunca haverá duas peças exatamente iguais. Além disso, os persas são peças atemporais e já garimpamos alguns com 100 anos e em perfeito estado e muita história para contar", detalha Paola.

Um dos tapetes da TapisAntik, que surgiu após viagem ao Marrocos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
TapisAntik surgiu após viagem ao Marrocos
Imagem: Arquivo pessoal
Paola Azevedo e Bruno Keleta - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Paola Azevedo e Bruno Keleta
Imagem: Arquivo pessoal

Além dos tradicionais tapetes persas, Paola afirma que os modelos kilims Bessarabians florais são os que mais fazem sucesso.

"São peças raras de encontrar hoje em dia e inquestionavelmente diferentes de qualquer outro tipo que vendemos. Facilmente reconhecíveis, eles têm muita presença e roubam a cena da decoração", pontua.

Decoração cinematográfica

Na hora de decorar a sala de um apartamento antigo que tem como foco absoluto as peças vintage, a diretora criativa Carol Pascoal sabia exatamente o que queria: um tapete único e cheio de estilo.

"Quando pensei na sala do @lepink605 sabia que queria um tapete exclusivo e que trouxesse informações para o espaço", conta.

Carol Pascoal e seu tapete cheio de estilo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Carol Pascoal e seu tapete cheio de estilo
Imagem: Arquivo pessoal

Foi na Tapilogie, a loja da Mariana lá do início da matéria, que Carol encontrou o eleito para compor a decor quase cinematográfica do apê, inspirada em filmes do diretor Wes Anderson, de quem é fã.

"Buscava também uma peça que trouxesse nossa arte e o bordado me pareceu uma escolha justa. Minha mãe é artesã e por anos fez arraiolo. Além disso, queria uma peça que também tivesse flores e pássaros e um tom de rosa", detalha.

A busca pelo persa ideal

Apesar de sempre ter desejado um tapete persa para chamar de seu, essa não foi a primeira opção da arquiteta Lisa Freire-Jansen quando começou a decorar sua própria casa.

A arquiteta Lisa Freire-Jansen procurava um persa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A arquiteta Lisa Freire-Jansen procurava um persa
Imagem: Arquivo pessoal
Tons de vermelho também eram um desejo de Lisa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Tons de vermelho também eram um desejo de Lisa
Imagem: Arquivo pessoal

"Sou uma apaixonada por objetos que carregam tamanha personalidade e história, como é o caso dos tapetes orientais. Mas foi só depois que a minha avó paterna (que é fissurada e vive rodeada por persas vermelhos) se ofereceu para nos presentear com um tapete desses que tomei a decisão", conta.

Lisa então começou a busca para encontrar o tamanho, estampa e preço perfeitos. "Me peguei estudando os significados e a origem dos tapetes orientais, todo o processo de produção milenar e como se tornaram objetos de desejo ao longo dos anos. Depois de um mês de procura, me deparei com a TapisAntik, que tinha o modelo ideal para mim".

Um tapete faz toda a diferença na decoração de um cômodo, mas aqui ele realmente virou a estrela da sala. Eu adoro o contraste das cores e estampas com o restante dos elementos, que tendem para o design minimalista", conta Lisa.

"Além de ser um item que vai para sempre me lembrar da minha avó", completa.

Tapetes em todos os cômodos

A empresária e designer de interiores Adelaine Castilho tem tapetes antigos em todos os cômodos da sua casa. "Sempre tive paixão por tapetes e peças antigas. Tenho alguns que foram adquiridos pelos meus pais, num leilão quando eu tinha 12 anos", recorda.

Um dos tapetes de Adelaine Castilho - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Um dos tapetes de Adelaine Castilho
Imagem: Arquivo pessoal
Tapetes estão em todos os cômodos da casa - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Tapetes estão em todos os cômodos da casa
Imagem: Arquivo pessoal

Em sua decoração, Adelaine gosta de misturar móveis antigos e modernos. "Tudo vai sendo colocado aos poucos, buscando o ideal para cada local. Me mudei para um apartamento maior e senti falta de mais alguns tapetes para compor os ambientes e fui adquirindo e experimentando até chegar na composição que buscava", diz.

Além de ficar encantada pelos tapetes persas, Adelaine os encara como investimentos.

Os ambientes ficam sofisticados, aconchegantes e adoro pensar que há muita história por trás de cada tapete. Tenho alguns que são herança de famílias", completa.

Dicas para escolher o tapete perfeito

  • Comece medindo o espaço, prestando atenção na área que gostaria de cobrir e na que deseja deixar livre;
  • Defina também qual será a função do tapete: "ele será o protagonista ou o coadjuvante na decoração? Será o ponto de cor ou algo mais neutro?", diz Mariana Wakin, frisando a importância desses detalhes;
  • Escolha uma paleta de cores para o ambiente antes de escolher o tapete. "Uma dica é selecionar uma gama de até seis cores para cada ambiente e pensar os elementos da decor em cima delas. Isso serve como um norte e diminui as chances de erro", diz Paola Azevedo;
  • Avalie qual estilo quer ter em sua decoração. "Para um quarto romântico, tapetes florais fazem mais sentido. Já uma sala moderna pede modelos geométricos. Se ainda assim tiver dúvidas e preferir um ambiente minimalista, aposte em cores neutras e sóbrias", finaliza.