Topo

Esporte


De volta ao Maracanã, Tagliafico relembra título pelo Independiente

26/06/2019 16h24

Rio de Janeiro, 26 jun (EFE).- O lateral-esquerdo Nicolás Tagliafico, que defenderá nesta sexta-feira a Argentina contra a Venezuela, no Maracanã, no Rio de Janeiro, pelas quartas de final da Copa América, relembrou, em entrevista à Agência Efe, um momento especial que teve no estádio.

"Todos falam para você sobre o mítico Maracanã, e é verdade. Há uma vibração diferente ali. É incrível poder jogar lá, mas acho que nada é mais bonito do que poder sair campeão em um campo como esse. Voltar será muito bom, com lembranças muito boas. Tomara, eu consiga vencer de novo", garantiu o jogador do Ajax.

Atuando pelo Independiente, em 2007, o lateral-esquerdo saiu de campo com os companheiros vencedor de duelo com o Flamengo por 2 a 1, pela ida da final da Copa Sul-Americana. No dia 13 de dezembro, jogando pelo empate, a equipe argentina pisou no estádio carioca.

"Entramos em campo, e veio junto uma onda de calor. Não podia ouvir meus companheiros, que estavam a dois ou três metros, tudo pelos gritos dos torcedores", contou.

"Foi incrível. Lembro que entramos tranquilos, mesmo levando o 1 a 0, porque sabíamos que seríamos campeões com o empate. Fomos buscar", completou.

Na ocasião, em jogo com gols no primeiro tempo, o meia Lucas Paquetá abriu o placar para o Flamengo, mas o meia Ezequiel Barco deixou tudo igual, garantindo a conquista do título do torneio pelo Independiente.

"O segundo tempo foi espetacular, já que nos movimentávamos de um lado para o outro. Não pesou o campo, o estádio, nem as pessoas", disse o Tagliafico.

Nesta sexta-feira, o defensor do Ajax, provavelmente, será titular na Argentina para o jogo com a Venezuela, que acontecerá às 16h (de Brasília). A partida é uma chance de afirmação para os atuais vice-campeões, que só venceram o Catar até o momento.

"Tomara que possamos crescer como equipe e jogar ainda melhor. Que seja um jogo-chave, para mostrarmos a nós mesmos que poderemos ser campeões. Será o jogo mais importante da Copa América", concluiu Tagliafico. EFE

Esporte