PUBLICIDADE
Topo

Esporte

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Demétrio Vecchioli: Rebeca Andrade vai a Tóquio brigar por cinco medalhas

Do UOL, em São Paulo

09/06/2021 12h33

A ginasta Rebeca Andrade garantiu no último fim de semana a sua classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio com sua participação no Campeonato Pan-Americano, no Rio de Janeiro, no qual se apresentou ao som da música Baile de Favela, funk de Mc João, e terá sua oportunidade depois de superar uma sequência de lesões em bons momentos esportivos.

Em sua participação no programa UOL News Esporte, com Domitila Becker, o jornalista Demétrio Vecchioli, que escreve o blog Olhar Olímpico no UOL, comenta o momento da ginasta e diz que ela competirá em Tóquio com boa possibilidade de voltar ao Brasil com medalhas.

"A Rebeca é uma ginasta que teve três lesões de LCA, ligamento cruzado anterior do joelho, que é a lesão mais grave do esporte, a regular mais grave, são sempre pelo menos nove meses fora, e ela sempre vai bem e tem a lesão, vai bem e tem a lesão. Ela perdeu toda a preparação da Rio-2016, se machucou de novo em 2017, de novo em 2018 para operar em 2019, ficou fora do Mundial, quando voltou, veio a pandemia, e agora ela conseguiu competir inteira", afirma Demétrio.

"Ela é carisma, ela é potente, você olha e fala 'que ginasta!'. E com uma música que representa o Brasil, eu até achei curioso porque o Baile de Favela é um funk paulistano, ela é do Rio (?). Ela vai para Tóquio para brigar por cinco medalhas. Ela não é a Simone Biles, ela não vai ganhar cinco medalhas de ouro, mas não duvido que ela ganhe duas ou três medalhas de prata e bronze, não", conclui.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Esporte