PUBLICIDADE
Topo

#TBTdoFutebol: Kaká fez rivais trombarem no gol mais bonito de sua carreira

Kaká deixou marcadores na saudade e fez argentino Gabriel Heinze ser 'atropelado'
Kaká deixou marcadores na saudade e fez argentino Gabriel Heinze ser 'atropelado'
John Peters/Manchester United via Getty Images

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

20/05/2021 04h00

Kaká fez da simplicidade a sua melhor qualidade: as arrancadas, os passes e os chutes precisos pareciam descomplicados, habituais para ele. Mas o gol mais bonito de sua carreira não foi nada simples. O UOL Esporte volta no tempo para o Manchester United x Milan de 24 de abril de 2007.

Era a temporada inesquecível de Kaká, um ano do tamanho de uma eleição de melhor jogador do mundo. Ele comandava aquele meio-campo do Milan ao lado de Seedorf, Pirlo e Gattuso, vinha de três gols em dois jogos no Italiano (contra Messina e Ascoli) e na Inglaterra queria mais. E faria mais.

Continua depois da publicidade

O Milan já tinha eliminado Celtic e Bayern (com três gols de Kaká) e abria as semifinais da Champions contra o United com quase 74 mil pessoas no Old Trafford.

Tom Purslow/Manchester United via Getty Images - Tom Purslow/Manchester United via Getty Images
Imagem: Tom Purslow/Manchester United via Getty Images

Cristiano Ronaldo abriu o placar em um escanteio confuso: Dida saiu mas ficou no meio do caminho, aí a bola cabeceada por CR7 explodiu em seu ombro, subiu e entrou. Gol feio também vale.

Paul Gilham/Getty Images - Paul Gilham/Getty Images
Imagem: Paul Gilham/Getty Images

O United insistiu pelo segundo, mas parou em Dida. Depois o Milan cresceu e equilibrou o jogo, até que Seedorf encontrou um passe preciso para Kaká no meio da defesa. O brasileiro deu o tapa na frente, bateu cruzado e empatou. Um gol bonito, mas nem aos pés do que estava por vir.

Continua depois da publicidade

O jogo seguiu lá e cá, com Cristiano Ronaldo dando um trabalho danado para o Milan. Mas aí Dida deu um chutão para frente, a bola caiu nas costas do volante Fletcher, e Kaká ganhou no corpo. Daí para frente, seis segundos de um golaço com chapéu e trombada humilhante entre os defensores:

Gabriel Heinze é quem toma o chapéu. Ele até se recuperou bem e parecia pronto para dividir de novo com Kaká, mas aí foi atropelado sem nem saber de onde Patrice Evra vinha. Entre uma coisa e outra, um toque de genialidade do brasileiro, de cabeça, tirou a bola do alcance de ambos.

Essa trombada é humilhante demais, que isso...

Continua depois da publicidade
A única chance que tinha de chegar antes dele era colocar a cabeça. Quando cabeceei, cheguei 1º e então ele colidiu com o Heinze. Foi um dos gols mais bonitos que fiz na carreira.
Kaká, em entrevista anos depois do lance histórico

O lance tem ainda um detalhe escondido. Quando percebe Evra e Heinze se chocarem, Kaká parece sorrir por meio segundo, uma reação talvez involuntária antes de se concentrar no goleiro e escolher o canto.

Kaká quase fez o terceiro com um chute de longe, mas desta vez Van der Sar defendeu. Apesar dos dois gols do brasileiro, o herói do dia seria Rooney, que também fez dois —um deles no último minuto— e sacramentou a virada do United em 3 a 2.

Chris Coleman/Manchester United via Getty Images - Chris Coleman/Manchester United via Getty Images
Imagem: Chris Coleman/Manchester United via Getty Images
Continua depois da publicidade

Kaká também marcou um gol no jogo da volta (3 a 0 Milan), deu assistência na final contra o Liverpool e terminou aquela Champions como campeão e artilheiro (dez gols). Também fez gol na Supercopa da Europa e na final do Mundial, este um dia antes de ser eleito o melhor jogador do mundo de 2007.

Etsuo Hara/Getty Images - Etsuo Hara/Getty Images
Imagem: Etsuo Hara/Getty Images

Heinze trocou o United pelo Real Madrid ao final daquela Champions, mas não chegou a ser companheiro de Kaká na Espanha: o argentino foi para a França semanas após a apresentação gigante que o meia teve no Bernabéu. Heinze se aposentou em 2014 e hoje é técnico nos EUA.

Já Patrice Evra foi pentacampeão inglês com o United, ganhou a Champions seguinte e no geral teve até mais títulos de clubes na carreira do que o próprio Kaká. Ainda teve passagem marcante pela Juventus e rodou um pouco mais até se aposentar em 2018.