PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Jardine vê São Paulo em evolução e cita G4 como meta final de 2018

18/11/2018 22h13

André Jardine notou evolução no desempenho do São Paulo na vitória por 1 a 0 sobre o Cruzeiro, neste domingo, no Morumbi. De acordo com o técnico interino, o time jogou melhor do que no empate por 1 a 1 com o Grêmio, quinta-feira, o primeiro jogo dele substituindo Diego Aguirre.

- Contra o Grêmio a meta era controlar um pouco mais o jogo, não permitir que o Grêmio se impusesse. A partir da fotografia do jogo contra o Grêmio, procuramos manter isso, mas machucar mais. Em cima da posse de bola, produzir um volume maior de finalizações, transformar o time em um time mais perigoso. É um desafio tremendo pelo período pequeno de treinos - avaliou o gaúcho de 39 anos, que neste momento é o plano A da diretoria para 2019.

Jardine explicou que escalou Shaylon no lugar de Helinho por questões físicas. O jovem de 18 anos, que teve bom desempenho contra o Grêmio, não conseguiu se recuperar completamente.

- O Helinho, se tivesse condição física hoje, começaria o jogo. Ele fez grande jogo, foi uma das melhores peças contra o Grêmio. Saiu já naquele jogo porque sentiu travar as duas pernas, panturrilha e posterior. Tivemos só dois dias de descanso entre os jogos, eu acreditava que ele conseguiria se recuperar, mas hoje ele relatou ao departamento médico que ainda sentia as duas panturrilhas muito pesadas. Foi prudente tirá-lo, porque possivelmente ele não aguentaria nem o primeiro tempo. Talvez o jogador mais parecido com ele no plantel seja o Antony, que é também talentosíssimo, mas que não aguentaria o jogo inteiro também. O Shaylon está vivendo grande momento, se dedicando muito, hoje saiu extenuado. Ele tinha competência para controlar o jogo, ajudar a gente a ficar com a bola e flutuar para dentro para exercer a função de meia - disse.

Quinto colocado do Brasileirão, o São Paulo tem os mesmos 62 pontos do Grêmio, mas uma vitória a menos. Ganhar essa briga particular com o clube gaúcho nas três rodadas finais virou o último objetivo do Tricolor no ano. Ficar no G4 vale uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores. De qualquer forma, ao menos a participação na fase preliminar já está garantida.

- A gente colocou essa meta internamente, vamos brigar com o Grêmio com todas as forças para conquistar essa quarta vaga. Entendemos que dificilmente Palmeiras, Flamengo e Inter deixarão de ser os três primeiros. Vamos focar todos os nossos esforços na quarta vaga - declarou Jardine, ainda sem saber em qual cargo estará em 2019.

- Sobre o ano que vem, já respondi na outra coletiva. Não quero criar expectativa, não é bom nem para mim e nem para a direção. Eles estão observando meu trabalho, observando o mercado, e vão saber fazer o melhor.

Esporte