PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Da Série D até a Série A: a trajetória de Everson até chegar ao Atlético-MG

Everson comemora lance do Atlético-MG na partida contra o Fluminense no Brasileirão - PAULO TI/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Everson comemora lance do Atlético-MG na partida contra o Fluminense no Brasileirão Imagem: PAULO TI/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Victor Martins

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte (MG)

02/12/2021 12h00

Classificação e Jogos

Cada jogador carrega uma história de superação. Algumas são mais ricas em detalhes e cheias de dramas, mas sempre é o relato de uma caminhada que passa por muitos obstáculos. O choro no momento de um título vai além da alegria da conquista, é o momento que o profissional se livra de qualquer amarra ao lembrar de tudo o que passou para chegar naquele momento. No Atlético-MG não é diferente. E hoje à noite pode ser especial, pois o Galo depende apenas de uma vitória sobre o Bahia para ser campeão brasileiro depois de 50 anos.

Várias histórias vão ser reveladas se o título for conquistado. Lembranças de um passado mais distante, o duro começo de carreira e até mesmo momentos ruins superados com muito trabalho. Assim será com Everson, hoje titular inquestionável do gol alvinegro, mas que precisou batalhar bastante para chegar ao estágio atual. O camisa 22 foi titular nos 35 jogos disputados pelo Galo no Brasileirão e é o goleiro menos vazado da competição.

Mas entre o começo de carreira e o jogo desta noite, na Fonte Nova, Everson passou por muita coisa. Passou por todas as divisões do Campeonato Brasileiro. Se agora o arqueiro está bem próximo de ganhar a Série A do Brasileirão, há sete anos ele conquistou o acesso na Série D, com o Confiança. Foi também pela equipe de Sergipe que ele disputou a Série C de 2015.

"Fui da Série D para a C, depois para a B e, alguns anos depois, consegui chegar na elite do futebol nacional. Tenho muito orgulho por ter passado por todas as divisões do Brasil e jamais me esquecerei de cada situação. Fazer esse caminho não é fácil. Muito pelo contrário, é difícil demais", relembrou Everson, que fez a base pelo São Paulo, mas se profissionalizou no Guaratinguetá e até chegar ao Atlético, o goleiro passou por River-PI, Confiança-SE, Ceará e Santos.

Everson enche o pé e faz o gol de pênalti para selar classificação do Atlético-MG às quartas da Libertadores - EFE/ Bruna Prado /POOL - EFE/ Bruna Prado /POOL
Everson enche o pé e faz o gol de pênalti para selar classificação do Atlético-MG às quartas da Libertadores
Imagem: EFE/ Bruna Prado /POOL

Em agosto, Everson foi convocado para a seleção brasileira, para jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo. Ele não entrou em campo, mas o simples fato de ser lembrado por Tite e ficar no banco de reservas já foi a primeira grande vitória desde a chegada à Cidade do Galo. Os primeiros meses de Everson em Belo Horizonte não foram nada fáceis.

A contratação do arqueiro foi um pedido de Jorge Sampaoli, treinador do Atlético em 2020. O argentino tinha a preferência por um goleiro capaz de jogar bem com os pés, enquanto a torcida queria ver Rafael como titular. A cada gol sofrido pelo Galo no Brasileirão, Everson era apontado como culpado. Não fazia diferença para os torcedores o fato de o time jogar muito exposto e quase sempre o atacante adversário ficar em ótimas condições para finalizar. A culpa sempre era do Everson.

Chegou ao ponto de o clube se posicionar e pedir um basta aos constantes ataques virtuais sofridos pela esposa de Everson. A volta por cima com a camisa do Atlético aconteceu em julho, nas oitavas de final da Copa Libertadores. O goleiro foi decisivo diante do Boca Juniors. Fez uma defesa na disputa de pênaltis e ainda converteu a cobrança que colocou o Atlético nas quartas de final.

Agora, não há mais dúvida sobre quem é o goleiro titular do Atlético. Everson se consolidou no gol alvinegro e é praticamente unanimidade entre os atleticanos. Falta uma vitória para o goleiro ganhar seu primeiro título nacional, e justamente a Série A. Certamente com um sabor especial para quem passou em todas as outras divisões.

Futebol