PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Alecsandro revela que teve vontade de jogar com o irmão no São Paulo

Alecsandro em ação pelo Flamengo - Pedro Martins/AGIF
Alecsandro em ação pelo Flamengo Imagem: Pedro Martins/AGIF

Colaboração para o UOL

26/10/2021 20h00

Richarlyson e Alecsandro são uma dupla de irmãos daquela com muitas histórias para contar no futebol. Com diferença de dois anos de idade, dividiram os gramados pelo Brasil, tanto juntos quanto um contra o outro. Em entrevista ao programa "The Noite", do SBT, os jogadores contaram algumas dessas histórias para o humorista Danilo Gentili.

Pelo São Paulo, Richarlyson foi campeão do Mundial de Clubes e tricampeão brasileiro consecutivo, em 2006, 2007 e 2008. Durante os anos que jogou pelo tricolor, o lateral e volante tentou levar ao irmão para fazer parte do elenco. Alecsandro confessa que balançou e teve, sim, vontade de ter ido ao São Paulo. "Todo ano cogitavam, mas acabava não dando certo. E eu estava muito bem nos clubes que eu estava. Então, além da parte financeira, de ter que compensar a outra equipe, tinha muita coisa envolvendo, e acabou não dando certo, mas eu sempre tive muita vontade de jogar com ele no São Paulo", revelou o atacante.

A vontade de reunir a família por um mesmo clube se realizou em 2013, quando Alecsandro se juntou ao irmão caçula no Atlético-MG. Richarlyson revela que teve participação direta na contratação do irmão. "Eu que levei ele. Na verdade, eu já tinha tentado trazer ele pro São Paulo, na época. Mas, não dava certo, porque ele estava muito bem no Inter e eles não queriam liberar. Aí eu fui pro Atlético-MG antes dele, fiquei dois anos jogando lá e o Atlético precisava de um atacante. O Cuca ne época chegou pra mim e perguntou como estava a situação do meu irmão e eu falei 'Opa, pode deixar que vou falar com ele agora'. E eu consegui, entre aspas, que eu não levo ninguém, mas conversei com ele e falei 'vem pra cá que a gente vai montar um timaço'".

Pelo Atlético-MG, a parceria da dupla de irmãos rendeu uma conquista inédita ao Galo: a Libertadores de 2013, com o time inesquecível, que contava com Ronaldinho, Bernard, Tardelli, Victor e companhia.

Na final emblemática, Richarlyson foi expulso no primeiro jogo e desfalcou a equipe no jogo de volta. Alecsandro saiu do banco nas duas partidas e abriu a disputa de pênaltis que deu a taça ao Atlético-MG, convertendo sua cobrança. Além da América, o Galo foi campeão mineiro daquele ano.

Alecsandro revelou ao apresentador que tinha o plano de jogar a Copa do Mundo de 2014, caso conquistasse a Libertadores pelo Atlético. O título veio, a convocação, não. "Eu vinha muito bem, vinha de 2009 no Internacional, fui o artilheiro da temporada. Em 2010 fui artilheiro da temporada, campeão da Libertadores e artilheiro do time também. 2011 eu fui para o Vasco, campeão e artilheiro. 2012 eu estava no Vasco, jogamos a Libertadores e perdemos aquele jogo pro Corinthians, que se não perde a gente era campeão também. Então eu vinha a quatro anos bem, via a oportunidade, que o Atlético estava montando uma equipe boa, com a referência do Ronaldinho Gaúcho e tinha a Copa do Mundo em 2014. E eu falei 'Opa! Chegando agora no Atlético, eu vindo de quatro anos bem e eu jogar em 2013 no Atlético, jogar a Libertadores e ser campeão, pensando já, junto com meu irmão, Ronaldinho Gaúcho, ia chamar muita atenção, vou arrebentar em 2013 e vou jogar a Copa do Mundo em 2014'. Foi um dos motivos de eu ter ido para o Atlético-MG. Aconteceu tudo bem, só não fui para a seleção", declarou o atacante.
Os irmãos também contaram, em tom bem humorado, sobre os confrontos que tiveram. Um defensor e outro centroavante, os embates eram firmes. "Ele já me deu uma porrada no jogo, quase me machucou. O ruim da história era eu, como eu era o defensor e ele o atacante, todo mundo falava pra eu não machucar ele", disse Richarlyson. "Só que aí teve um jogo lá no Beira-Rio, Inter e São Paulo. A gente se falando antes de jogo e ele falou que estava tranquilo, ia jogar solto. O São Paulo estava bem também. Aí com cinco minutos de jogo ele me deu uma porrada e me jogou fora do campo. Não veio pedir desculpas, não falou nada. Aí eu tive que usar minha arma, fiz dois gols", retrucou Alecsandro, arrancando risadas dos comediantes do programa.

Atualmente, os dois defendem, juntos, o Esporte Clube Noroeste, de Bauru. O pai dos dois, o ex-ponta direita Lela é ídolo do clube do interior paulista e ambos tinham vontade de defender o alvirrubro antes de pendurar as chuteiras.

Futebol