PUBLICIDADE
Topo

Podcast

Posse de Bola

Programa semanal de futebol com Juca Kfouri, Mauro Cezar Pereira, Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi


OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Posse de Bola #131: Motim na seleção, crise no Corinthians e Copa do Brasil

Do UOL, em São Paulo

04/06/2021 12h01

A seleção brasileira volta a campo hoje, às 21h30, para enfrentar o Equador em Porto Alegre pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo, mas o assunto principal relacionado a ela é a Copa América, com insatisfação por parte de jogadores e comissão técnica, com o surgimento da possibilidade de que aqueles que atuam em clubes europeus se recuem a atuar na competição, transferida nesta semana para o Brasil.

No podcast Posse de Bola #131, os jornalistas Arnaldo Ribeiro, Eduardo, Tironi, Juca Kfouri e Mauro Cezar Pereira analisam a situação da seleção brasileira e a possibilidade de um boicote à Copa América, que também poderia ter a adesão de jogadores que atuam por outras seleções sul-americanas.

Para Juca Kfouri, caso o movimento dos jogadores consiga fazer com que a Copa América seja cancelada, será um feito digno de aplausos, ainda que a razão não seja apenas pelo fato de a competição ter sido transferida ao Brasil. Mas o jornalista também tem desconfiança devido à postura costumeira daqueles que atuam pela seleção brasileira.

"Se os jogadores, seja qual for a motivação deles, conseguirem cancelar a Copa América, os jogadores brasileiros e os jogadores sul-americanos que têm manifestado a sua contrariedade, receberão os meus aplausos, porque terão feito o maior gol da vida deles, porque realmente não há o que justifique que o Brasil receba sesse torneio recusado pela Colômbia por razões políticas e pela Argentina por razões de saúde pública", diz Juca.

"Ao que tudo indica, o Chilavert foi quem começou esta pregação e teve a adesão do Suárez, do Agüero e isso chegou aos jogadores brasileiros. Eu tenho minhas dúvidas, dado o passado absolutamente, digamos, cordeiro dos nossos jogadores", completa.

Outra dúvida de Juca é em relação à posição de Neymar, que está em atrito com a Nike, patrocinadora da CBF, ao mesmo tempo em que já se posicionou próximo ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido).

"Como estará aflito o Neymar pai, um dos donos da CBF e com o Neymar filho, o presidente de fato da CBF, tanto que tapa o símbolo de uma das patrocinadoras que garantem as mordomias da CBF e não acontece nada com ele, está para a CBF como o general Pazuello está para o Exército brasileiro, faça a afronta que quiser, que tudo continua como está. Fico me perguntando qual será o papel do Neymar nisso tudo", diz Juca.

"Neymar estará apoiando porque é uma maneira de dar mais uma facada na Nike ou o pai dele estará dizendo para ele 'meu filho, não fique contra aquilo que o governo brasileiro quer, porque temos pendências com a Receita Federal, você sabe que o governo tem sido generoso com essas nossas pendências'? Então eu fico numa interrogação só", completa.

O jornalista faz ainda uma crítica à forma como o técnico Tite usou de justificativa os jogos das Eliminatórias para que os jogadores e a comissão técnica se posicionem apenas após a partida com o Paraguai, na terça-feira. Juca afirma que será difícil manter o silêncio por todo esse período sem que a concentração seja afetada.

"É pior você manter mais 72 horas essa interrogação do que resolver isso de cara, dizer 'olha, está resolvido, os jogadores estrangeiros, os que jogam fora do Brasil, não vão participar da Copa América. Não sei se nós vamos tentar fazer um bem bolado com os jogadores que jogam no Brasil', se os meninos da seleção olímpica também têm a mesma restrição ou se poderemos usar a seleção olímpica para jogar a Copa América", diz Juca.

"Me parece que isso, ao contrário de mantê-los concentrados nas Eliminatórias, piora a desconcentração, porque o assunto permanece, é um assunto publicamente não resolvido. Mas, enfim, saúdo que haja esse movimento, porque rigorosamente não há sentido em a gente acrescentar a tantos problemas que já há no Brasil, mais esse", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL