Topo

Cuca nega desrespeito e explica reação do SP: "Tinha jogador chorando"

Siga o UOL Esporte no

Bruno Grossi

Do UOL, em São Paulo

21/04/2019 18h57

O São Paulo voltou ao gramado da Arena Corinthians para receber as medalhas e a taça de vice-campeão, mas o time tricolor havia descido para o vestiário imediatamente após o apito final e não deu entrevistas. Em coletiva após a derrota por 2 a 1 para o rival, Cuca explicou o ocorrido.

"Cinco já tinham entrado e mandamos buscar. Tinha jogador chorando, frustrado, não tinha como segurar. Demorou demais. Tentamos entregar (as medalhas) antes, mas depois resolvemos entrar. Não houve desrespeito a ninguém. Foi uma questão emocional, gol em cima da hora", disse.

Raí confirmou ter encontrado o elenco abatido no vestiário. "Alguns já tinham entrado, estavam chateados. Eu vim aqui, conversei com eles, e eles prontamente se levantaram e subiram para receber as medalhas", contou o diretor de futebol, em sintonia com Hernanes.

"A princípio, a gente estava chateado. Fomos para o vestiário, conversamos e retornamos. É normal, depois de uma partida como essa, com um gol no final, o time ficar um pouco chateado. Mas depois a gente voltou e recebeu as medalhas", respondeu o meio-campista.

Cuca defende atuação e explica trocas

Marcello Zambrana/AGIF
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

O gol de Vagner Love no fim da partida frustrou o São Paulo, mas a avaliação de Cuca é positiva. O treinador defendeu seu estilo de jogo, ressaltou que não pretende colocar em campo uma equipe com filosofia defensiva e elogiou a campanha de recuperação do time no Campeonato Paulista.

"Se fosse uma retranca ferrenha, não teríamos tomado o gol. Mas não é isso que buscamos no São Paulo. Não adianta pôr culpa nas trocas, as opções não eram muitas. Eles usaram três centroavantes e um fez gol. Nós não tínhamos nenhum. O São Paulo fez um grande final de campeonato", afirmou.

"Esperávamos sair campeões, mas temos que recuperar e iniciar o campeonato de regularidade que é o Brasileiro. Os meninos só têm um dia para ficar sentidos. Temos jogadores a estrear (Pato, Tchê Tchê e Vitor Bueno), e as coisas podem melhorar", comentou Cuca.

As dores na coxa que Luan vinha sentindo foram a explicação do técnico para a entrada de Willian Farias. "Na condição normal, entraria Nenê no lugar do Everton. Como o Luan já estava avisando que não era cãibra e o Everton já não aguentava mais, procuramos equilibrar com o Willian", explicou.

"No segundo tempo. O Corinthians não teve chance clara, não teve domínio. Nós também não fizemos muito por merecer. Era jogo de empate. Acabou com o Corinthians premiado, em uma falta nossa, na qual perdemos a segunda bola e nos posicionamos mal", acrescentou.

"Dói muito, queríamos muito dar o título ao torcedor. Pedimos desculpas a eles, mas precisamos deles para sábado para começar o campeonato forte. São meninos de 18, 19 anos que entraram em uma batalha muito diferenciada do que são os jogos de juniores", encerrou Cuca.

Mais São Paulo