PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Por seleção, Dudu quer evitar transferência para "mercados alternativos"

Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Do UOL, em São Paulo

27/11/2018 08h16

Um dos palmeirenses que deve sofrer mais assédio no mercado, o atacante Dudu disse, em entrevista ao "SporTV", que o desejo de defender a seleção brasileira pode pesar caso receba propostas de transferências. Sem especificar países, o jogador disse que "ir para um mercado não muito visto" pode prejudicar a possibilidade de ser convocado pelo técnico Tite.

Dudu tem contrato até 2022 com o Palmeiras, mas tem sua saída especulada desde que mostrou resignação com a negativa do clube por propostas vindas da China. Apesar do contratempo, o atacante manteve a motivação, foi fundamental para a conquista do Campeonato Brasileiro e diz estar feliz com a sua situação.

"Quando cheguei em 2015, eu acreditei no projeto do Alexandre Mattos (diretor de futebol), de ganhar títulos, de chegar na seleção brasileira, e eu tenho conseguido cumprir essas metas. Eu estou bem feliz no Palmeiras, tive a oportunidade de ter saído no meio do ano, não deu certo, o clube precisava de mim”, disse.

“Se surgir agora, vamos sentar, ver o melhor para o clube, o melhor para minha família. Eu sonho em chegar na seleção, e se eu for para um mercado não muito visto, a gente vai perder essa oportunidade. Não chegou nada para mim, estou focado no Palmeiras, tenho contrato até 2022", completou.

Na entrevista ao "SporTV", Dudu ainda falou sobre as diferenças centrais entre Felipão e Roger Machado e elogiou a liberdade que o experiente técnico dá para o jogo palmeirense fluir dentro de campo. Veja declarações.

Felipão

"Acho que ele chegou e uniu mais o grupo, usou alguns jogadores que o Roger não usava muito. Deu mais confiança para alguns jogadores, caso do Deyverson. A torcida pegava no pé dele, e ele ajudou. A gente fica feliz por ele, é um cara bacana"

Posicionamento

"No Palmeiras, a gente troca muito de posição. Uma hora, o Lucas Lima fica mais na ponta, eu fico no meio, o Felipão dá muito essa liberdade para gente. Eu gosto de ficar mais no meio no segundo tempo, porque não precisa voltar para marcar, acompanhar lateral...".

Craque do Brasileirão?

"Eu tenho na minha cabeça que eu fiz um bom campeonato, mas isso é mais consequência de um bom trabalho. Mais importante pra mim foi ter sido campeão... Se vir, vou ficar feliz. Até agradeço os votos de vocês. Mas Paquetá (Flamengo) fez um bom campeonato. O Everton (do São Paulo) fez um bom campeonato, ele teve um bom ano, teve um problema com ele que machucou, mas foi bem”

Comportamento em campo

"Estava até falando com o Arnaldo (Cezar Coelho, comentarista de arbitragem), num papo nosso, dizendo que eu melhorei bastante. Ser capitão fez bem para mim. Me transformei mais em um melhor jogador, agora tem alguns juízes que me dão parabéns por eu não reclamar mais".

Desgaste

"Agora está mais tranquilo depois que a gente confirmou o título, mas antes, tem mais desgaste mental, com jogos um atrás do outro, e competições diferentes. Como você citou, são dez times que disputam o título. É um desgaste muito grande mentalmente"

Futebol