PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Amaral assina com time da elite do Paulista e tenta pagar promessa a filho

Guilherme Costa

Do UOL, em São Paulo

06/01/2015 12h44

O Campeonato Paulista de 2015 vai dar ao volante Amaral, 41, uma chance de pagar uma promessa. Parado desde 2013, o jogador assinou contrato com o Capivariano, time caçula na Série A1 do torneio estadual. Com isso, já começou a ouvir cobranças do filho, Amaralzinho, de 17 anos.

“Ele já pediu um gol para ele. Eu prometi quando ele nasceu, mas não fiz”, brincou Amaral, que balançou as redes apenas nove vezes em toda a carreira.

Natural de Capivari, no interior de São Paulo, Amaral começou a jogar futebol nas equipes amadoras do Capivariano. Contudo, ele deixou o time do interior ainda na base e foi para o Palmeiras. Na equipe alviverde, o volante participou de um período extremamente prolífico nos anos 1990 (conquistou um Rio-São Paulo, três Paulistas e dois Brasileiros).

Amaral ganhou mais um Campeonato Paulista pelo Corinthians, e ainda passou por clubes como Benfica, Fiorentina, Vasco e Grêmio. Ele estava sem clube desde 2013, quando acumulou passagens efêmeras por Itumbiara e Poços de Caldas.

“Eu ganhei quatro Paulistas. Fico muito feliz de poder voltar, ainda mais jogando na minha cidade. Não estou 100%, mas estou trabalhando. Até o início do Campeonato Paulista, em fevereiro, eu vou estar pronto”, avisou o jogador.

O contrato do volante com o Capivariano tem duração apenas para o Campeonato Paulista. Amaral já passou por exames e fez treinos físicos em dois períodos na última segunda-feira (05). As atividades também serviram para o meio-campista conhecer os novos companheiros.

“Não conhecia ninguém, mas eu também fiquei muito tempo fora do país. O grupo não tem jogadores muito conhecidos, mas muitos deles têm condições de atuar em times de massa. Não vou falar em times grandes porque nós também somos grandes”, discursou Amaral.

Os primeiros treinos também serviram para Amaral conhecer o técnico Ivan Baitello. “Ele é novo, mas inteligente. Ainda não falamos sobre parte tática, mas eu posso jogar como primeiro, como segundo volante ou até em outra função. Só não jogo de centroavante”, avisou o reforço.

No período de inatividade, Amaral vinha participando de partidas festivas e eventos corporativos. Além disso, ganhava dinheiro com palestras.

Futebol