PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Vender Pato ao SP em janeiro vale a pena. Corinthians sabe, mas quer mais

Guilherme Palenzuela e Gustavo Franceschini

Do UOL, em São Paulo

24/09/2014 06h00

O São Paulo estuda as condições para tentar contratar Alexandre Pato de forma definitiva em janeiro, mas para bater o martelo, sabe que precisa torcer por uma conjuntura positiva. O Corinthians, interessado em se desfazer do jogador, só espera o tempo passar. A três meses da hora da definição, o clube do Parque São Jorge sabe que um negócio por 10 milhões de euros vale a pena, mas ainda quer mais pelo jogador.

Por enquanto, não existe conversa entre as partes. O São Paulo, como o UOL Esporte mostrou na última terça, estuda maneiras de levantar dinheiro até lá, enquanto o Corinthians está em compasso de espera.

O clube do Parque São Jorge, embora ainda não pense muito no assunto, sabe que o valor compensa, já que representa dois terços do que foi investido quando Pato chegou do Milan. A questão é que até janeiro o atacante pode valer mais, o que impede qualquer avaliação prematura sobre o negócio.

No meio do ano, quando estava em baixa no São Paulo e sem perspectivas de melhora, Pato poderia ter sido vendido por menos de 10 milhões de euros com facilidade. O problema é que não houve nenhuma proposta concreta pelo jogador, que seguiu no Morumbi e se reabilitou.

Beneficiado pela chegada de Kaká e pela melhora no nível técnico são-paulino, Pato está em seu melhor momento desde que voltou ao Brasil. Ele é artilheiro do clube no Brasileiro com oito gols e peça fundamental no esquema de Muricy Ramalho. Para a diretoria do Corinthians, o atacante hoje vale cerca de 16 milhões de euros (R$ 49,2 milhões).

Pato chegou ao Brasil no começo de 2013 por 15 milhões de euros (cerca de R$ 40 milhões, na cotação da época). Se o valor que imagina o Corinthians for comprovado no mercado, o negócio se paga e amortiza a frustração que a diretoria teve com o reforço, que saiu do clube pela porta dos fundos.

O problema é que essa projeção corintiana depende de uma conjuntura favorável. Em janeiro, no meio da temporada europeia, a janela de transferências costuma movimentar somas bem inferiores às do meio do ano. Para recusar os 10 milhões de euros do São Paulo e mandar o atacante ao exterior, ele precisaria contar com uma proposta estrangeira, prospecção difícil de ser feita no momento.

Quem sai ganhando se Pato for vendido ao SP em janeiro?

Resultado parcial

Total de 3051 votos
25,04%
29,73%
45,23%
Total de 3051 votos

Além disso, a diretoria teria de medir o impacto político da venda de um jogador desse porte a um rival. O Corinthians, é bom lembrar, estará a menos de dois meses de sua eleição presidencial, e a contratação de Pato é apontada como um dos maiores erros da gestão de Mário Gobbi.

A direção corintiana, embora não seja alheia à "corneta" interna, tem um perfil menos passional que a média da cartolagem. Em tese, a rivalidade não iria interferir na oportunidade de um bom negócio. Até que a situação se concretize, porém, muita coisa pode acontecer e mudar esse cenário.

Só que os dirigentes sabem, hoje, que vender Pato por 10 milhões de euros, ainda que seja para o São Paulo, é um negócio razoável. O valor, por si só, paga dois terços do que foi investido no atleta no momento da compra. O clube se livra de um salário alto que iria até o fim de 2016 (veja detalhes dessa conta abaixo) e para de ficar à mercê da irregularidade do jogador.

Se não negociar Pato no começo de 2015, o Corinthians pode ver o jogador se desvalorizar caso passe por outro semestre ruim, como foram todos os anteriores ao atual. Na próxima temporada, vale lembrar, o São Paulo não deve ter Kaká, apontado como grande artífice da revolução do elenco tricolor, que acordou Pato e Ganso, entre outros, de um longo período de irregularidade.

Por isso, o negócio com o São Paulo está longe de ser carta fora do baralho no Parque São Jorge. A questão é que está muito cedo para que qualquer sinalização seja dada, sob o risco de prejuízo a uma futura negociação das mais delicadas.

O Corinthians emprestou Pato, mas não se livrou das despesas com o jogador. Mensalmente, gasta R$ 400 mil em salários - paga metade dos vencimentos enquanto o atacante joga pelo São Paulo. Na cabeça dos dirigentes corintianos, quanto mais tempo espera para vender, mais cresce a despesa e mais distante fica o clube de minimizar os danos causados pela contratação do jogador.

Em dezembro de 2012, o Corinthians pagou 15 milhões de euros ao Milan para contratar Pato. Na conversão da época, o investimento foi de R$ 40 milhões. Às despesas totais com o atacante também se soma o valor pago pelo Corinthians em salários em 2013 e em 2014, nos períodos em que ele atuou no clube e emprestado ao rival São Paulo. Ao todo, entre o valor pago ao Milan e salários, o Corinthians terá gastado valor próximo de R$ 55 milhões em Alexandre Pato até o fim deste ano. Para recuperar esse valor, o clube precisaria vende-lo em janeiro por 18 milhões de euros.

Até o fim do empréstimo ao São Paulo, que se encerra em dezembro de 2015, o Corinthians terá gastado R$ 60 milhões no investimento em Alexandre Pato, ao todo. Nessa data, para que recupere o investimento, seria necessário uma venda por 19 milhões de euros.

O contrato de Pato com o Corinthians vai até dezembro de 2016. Em um cenário em que o atacante retorne do São Paulo ao Parque São Jorge e que o Corinthians volte a pagar o valor integral de R$ 800 mil mensais, o investimento no jogador até o fim de seu vínculo, no fim daquele ano, terá sido de R$ 69 milhões. Para recuperar isso, só com uma venda por 22,4 milhões de euros.

Futebol