PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

TRT se contrariou e avisou CBF sobre Scarpa antes de publicar decisão

Gustavo Scarpa em ação pelo Palmeiras; CBF foi notificada antes mesmo da publicação do acórdão - Ale Cabral/AGIF
Gustavo Scarpa em ação pelo Palmeiras; CBF foi notificada antes mesmo da publicação do acórdão
Imagem: Ale Cabral/AGIF

Do UOL, em São Paulo

20/03/2018 04h00

O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro oficiou a CBF sobre a queda da liminar que desvinculava Gustavo Scarpa do Fluminense antes mesmo de publicar a íntegra da decisão. O documento que chegou à confederação foi uma certidão de julgamento, uma espécie de resumo que contém apenas o resultado da votação do tribunal, divulgado antes que a decisão completa, chamada acórdão, fique pronta. Na última sexta, a relatora do caso pediu que a entidade que comanda o futebol brasileiro fosse comunicada com urgência, antes da lavratura completa da decisão. A determinação contraria a própria certidão na qual se baseia, que determina os ofícios sejam enviados “após a lavratura do acórdão”.

Pessoas ligadas a Scarpa e ao Palmeiras mostraram incômodo com a velocidade e prioridade dadas ao comunicado à CBF, que já na sexta-feira reestabeleceu o vínculo do meia com o Fluminense. A confederação não se manifesta sobre o assunto, mas fontes ligadas à entidade dizem que apenas seguiram a decisão, que demandava cumprimento imediato, antes da lavratura do acórdão. Advogados independentes ouvidos pela reportagem preferiram não se identificar por ligações com outros clubes brasileiros, mas consideraram a situação atípica. Já o Fluminense considerou a situação “absolutamente normal”, e ressaltou que, se o jogador considerar que houve irregularidade, pode adotar as medidas judiciais cabíveis. (Por Léo Burlá, Pedro Lopes e Rodrigo Mattos)

Seleção: Homem-forte viaja pela 1ª vez desde 2015

Ao menos por enquanto, Rogério Caboclo ainda não é presidente da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A nomenclatura, no entanto, é apenas questão de tempo. Ele irá para a Europa para acompanhar os amistosos da seleção contra a Rússia e Alemanha e, com isso, inaugura uma nova era na confederação. É a primeira vez desde 2015 que o nome mais forte da entidade pode viajar para o exterior com a delegação. A última vez que isso aconteceu foi em 2015, quando Marco Polo Del Nero e José Maria Marin foram em reunião da Fifa, representando a CBF, em Zurique. Na ocasião, o FBI deflagrou a operação que acabaria por derrubar cartola por todo o mundo e Marin foi um dos presos.

Nos últimos jogos, Marco Polo Del Nero, afastado por conta dos escândalos de corrupção, não acompanhou o time em jogos fora do país por receio de ser preso. Em outras oportunidades, como na Copa América dos Estados Unidos-16, por exemplo, o seu representante havia sido o então vice Coronel Nunes.  Caboclo não acompanha a delegação desde o início por compromissos no Brasil. Ele vive atribulada agenda para garantir apoio de federações e clubes no processo de transição do poder. Em uma manobra que deixou os times sem voz, ele conseguiu garantir a candidatura única na entidade. Recentemente, o cartola colheu assinaturas de presidentes para mostrar ao poder público que sua ida ao cargo máximo da entidade tem legitimidade. (Por Danilo Lavieri, Dassler Marques e Pedro Ivo Almeida)

Seleção reserva 50 quartos para familiares de atletas

A seleção brasileira reservou 50 quartos para os familiares dos atletas ficarem em Sochi, cidade da concentração da delegação durante a Copa do Mundo. Esse foi o máximo que o coordenador de seleções, Edu Gaspar, conseguiu disponibilizar para os 23 que estarão convocados. Cada atleta poderá avisar quantos quartos tem a intenção de reservar e precisará arcar com os custos. A CBF apenas facilitará o processo.

As reservas começarão a ser feitas assim que a lista de convocados for divulgada. Como a lista do Mundial ainda não foi feita de forma oficial, nenhum atleta ainda abriu conversas para a reserva. A seleção brasileira também faz adaptações tanto no seu hotel como no vizinho, que receberá os familiares. A suíte presidencial da casa do time de Tite, por exemplo, será transformada em sala de fisioterapia. Outros espaços servirão para espaço de convivência entre atletas e familiares. (Danilo Lavieri e Dassler Marques)

Palmeiras acerta últimos detalhes e vai anunciar Puma

O Palmeiras finalmente acertou os últimos detalhes do contrato com a Puma. Embora o negócio já esteja fechado desde o fim de fevereiro, clube e fornecedora conversavam sobre as últimas cláusulas, processo considerado “complexo” por ambas as partes. Nos últimos dias, porém, todas as questões foram resolvidas e o clube deve anunciar a parceria ainda esta semana. (Por Gustavo Franceschini e Danilo Lavieri)

São Paulo conversa com R. Rocha por causa de redes sociais

Para evitar polêmicas, representantes do São Paulo conversaram com o coordenador de futebol do clube, Ricardo Rocha, nesta segunda-feira. Em pauta estava a postura do dirigente nas redes sociais. No domingo, ele curtiu uma postagem no Instagram em que a equipe era alvo de brincadeiras pela fase que enfrenta. Antes, também no domingo, ele já havia convocado torcedores para o jogo desta terça-feira, contra o São Caetano, e recebido críticas de internautas são-paulinos. No entanto, Ricardo Rocha não levou multa ou tomou qualquer tipo de punição do clube. (Por José Eduardo Martins)

Fábio e Pratto são sócios de empresa que homenageia ex-cartola

Rivais entre 2015 e o início de 2017, Fábio e Lucas Pratto são sócios de uma empresa em Belo Horizonte. O goleiro do Cruzeiro e o atacante do River Plate-ARG, ex-Atlético e São Paulo, têm uma distribuidora de produtos alimentícios na capital mineira. A companhia se chama Malluf Distribuidora por reunir as iniciais de Mauro Lopes, Lucas Pratto, Lucas (procurador da dupla) e Fábio. O nome homenageia também o falecido Eduardo Maluf, diretor de futebol de Cruzeiro e Atlético-MG nas duas últimas décadas. (Por Thiago Fernandes)