PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Por que Olympique de Marselha x PSG é 1º grande desafio de Neymar na França

Neymar durante jogo do PSG contra o Bordeaux - FRANCK FIFE/AFP
Neymar durante jogo do PSG contra o Bordeaux Imagem: FRANCK FIFE/AFP

João Henrique Marques e Leo Burlá

Do UOL, em Paris e no Rio de Janeiro

21/10/2017 04h00

A chamada do Canal + avisa: domingo é dia de clássico na França. É a propaganda do confronto entre Olympique de Marselha x Paris Saint-Germain, pela 10ª rodada do Campeonato Francês. A maior rivalidade do país no momento é considerado o primeiro grande desafio de Neymar no PSG.

A rivalidade entre os times ganhou força a partir da década de 90. E em um campeonato recheado de jogos considerados de nível técnico baixo, o confronto contra o Marselha ganha status de decisão no PSG.

“Tentamos nos preparar para esse jogo como um outro qualquer. Mas é claro esse sentimento de torcedor de clássico e de importância de vitória. Então, posso dizer que aqui o sentimento é de uma final sim”, comentou o treinador Unai Emery.

A rivalidade

O confronto ganhou o peso muito por conta da rivalidade política entre as duas maiores da cidades da França. Os sulistas de Marselha são historicamente questionadores do domínio político, cultural e econômico que a capital exerce sobre as outras cidades do país. O reflexo no futebol só foi sentido com o crescimento do PSG nos anos 90.

Patrocinado pelo Canal +, o PSG passou a contar com investimento pesado e montar elencos com craques como Raí, George Weah e David Ginola. A ideia era fazer frente ao domínio do Olympique de Marselha, que chegou a ganhar cinco títulos consecutivos entre 88 e 93. A hegemonia foi quebrada pelo PSG em 94. Foi quando a rivalidade tornou-se grande.

Com exclusividade de transmissão e para fortalecer a marca, o Canal + passou a aderir o slogan “Le Classique” para o confronto desde então. Mesmo nos 16 anos seguintes, sem conquistas no Campeonato Francês das equipes – Olympique de Marselha voltou a ser campeão em 2009 -, o duelo manteve a alcunha.

“Há um trato distinto dos torcedores, uma rivalidade grande. A semana inteira só falando disso, como uma final de campeonato. Com certeza quem chega no PSG percebe a diferença da partida”, destacou Florent Tourchet, repórter do jornal esportivo francês L’Equipe.

Histórico de violência

Em 2010, o Ministério do Interior da França chegou a banir a presença de torcedores visitantes dos confrontos entre Olympique de Marselha e Paris Saint-Germain. Segundo o órgão, o histórico de violência entre as torcidas durante o clássico foi a motivação da medida que permaneceu inalterada por três anos.

Em 95, em partida válida pela semifinal da Copa da França, foram 146 torcedores presos.  Em 2001, foram mais 61 após confronto que teve morte de um torcedor do PSG. Já em 2010, a intervenção do Governo foi tomada por conta da morte de um torcedor PSG após o conflito entre torcedores do próprio time nos arredores do Parque dos Príncipes. Na ocasião, a torcida organizada do Olympique de Marselha desistiu da viagem por conta de ameaças de violência.

“O PSG vive um momento único, importante, mas o Marselha é uma equipe que se caracteriza pela luta, pela garra, pela entrega, exatamente do jeito que o torcedor deles gosta. Apesar do bom momento e da vantagem técnica do PSG, o Marselha sempre teve equipes que vendem muito caro qualquer resultado. Se eu tiver a oportunidade, vou assistir ao jogo. E que a rivalidade fique apenas dentro de campo. Em ocasiões que participei dessa partida também como treinador, a rivalidade foi para fora do campo, uma coisa lamentável e desagradável, inclusive com a morte de um torcedor no Parque dos Príncipes. Então, que prevaleça o bom senso e o futebol, acima de tudo”, comentou Abel Braga, jogador do PSG entre 79 e 81, e treinador do Olympique de Marselha na temporada 2000/2001.

Esporte