PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Justiça dá dez dias para que Palmeiras pague R$ 6 mi a fiador de Wesley

Danilo Lavieri e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

31/05/2014 06h00

A briga judicial que envolve a ida de Wesley para o Palmeiras sofreu uma nova reviravolta: uma decisão da 9ª Vara Cível de São Paulo dá ao clube alviverde o prazo de dez dias, a partir do próximo dia 2 de junho, para que deposite um valor que ultrapassa os R$ 6 milhões, em ação movida pelo presidente do Criciúma, Antenor Angeloni.

Angeloni foi fiador da contratação do volante na gestão de Arnaldo Tirone, e acionou a Justiça por não receber o valor. No final de janeiro, conseguiu congelar as receitas de televisão do Palmeiras – o juiz determinou que a Globo depositasse o que pagaria ao clube diretamente em juízo, em valores até R$ 21 milhões de reais – o valor total da dívida é de R$ 15,3 milhões.

O departamento jurídico alviverde recorreu da decisão, e obteve duas vitórias parciais: primeiro, conseguiu reduzir o valor das receitas bloquedas para 2 milhões de euros –  cerca de R$ 6 milhões. Depois, no final de abril, conseguiu liberar a quantia.

Quando obteve a liberação, o Palmeiras teve de volta R$ 4,5 milhões que já tinham sido depositados em juízo – três parcelas de R$ 1,5 milhão cada. A nova decisão determina que esse valor seja devolvido: como já se passou mais um mês, e se aplicam todas as correções monetárias, ultrapassará a marca dos R$ 6 milhões.

A dívida atrapalha os planos da diretoria alviverde – desde que assumiu, o presidente Paulo Nobre vem tendo que se virar para controlar os problemas financeiros, e já repassou ao clube mais de R$ 80 milhões em empréstimos. O problema com Wesley também fez o time paulista desistir de um aporte de R$ 54 milhões que conseguiria para aliviar a dívida.

Mesmo com situação, o Palmeiras não dá sinais de que vá se desfazer do volante. Nesta quarta-feira, o diretor executivo do clube fez questão de afirmar que o jogador não sairá após a Copa, mas fez o alerta de que nenhum atleta do elenco é inegociável.

“Valdivia e Wesley não irão deixar o Palmeiras após a Copa. No Palmeiras não existe jogador inegociável. Se chegar uma proposta boa para o jogador e para o clube, a gente vende. Mas não tem nada definido agora” afirmou, em entrevista à Rede TV.

A assessoria de imprensa do Palmeiras tem a política de não comentar as ações judiciais do clube. A decisão que obriga à devolução dos valores não é definitiva, e pode ser alterada com recurso.

Wesley tem contrato até fevereiro de 2015, o que significa que, a partir de agosto de 2014, ele poderia assinar um pré-contrato com qualquer outro time sem que o Palmeiras receba por isso.

Esporte