PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Goleada que manteve o Cruzeiro na Série A foi a maior sofrida pelo Atlético para o rival

W. paulista e Réver durante a goleada do Cruzeiro sobre o Atlético-MG, por 6 a 1  - Bruno Cantini/Site do Atlético-MG
W. paulista e Réver durante a goleada do Cruzeiro sobre o Atlético-MG, por 6 a 1 Imagem: Bruno Cantini/Site do Atlético-MG

Do UOL Esporte

Em Belo Horizonte

05/12/2011 06h01

A goleada sofrida pelo Atlético-MG por 6 a 1, na última rodada do Campeonato Brasileiro, na tarde de domingo, que decretou a permanência do Cruzeiro na Série A, foi a maior vitória imposta pelo maior rival na história do clássico mineiro. O alvinegro não havia ainda sofrido seis gols do arquirrival em uma mesma partida.

Até então o triunfo com maior placar pelo lado cruzeirense havia sido imposto em 2009, na final do Campeonato Mineiro, quando o Cruzeiro venceu por 5 a 0, em abril daquele ano, em partida disputada no Mineirão.


Por outro lado, o Atlético é detentor da vitória pelo placar mais elástico na história do clássico mineiro. Em 1927, o alvinegro mineiro bateu o rival, á época chamado Palestra Itália,  por 9 a 2, em amistoso disputado no antigo estádio do Alameda.

O volante Fillipe Soutto lamentou o placar elástico e reconheceu a atuação apática do Atlético. “O objetivo do Atlético era sair do rebaixamento nessa segunda fase do campeonato a gente, conseguiu, mas fechar o ano com um placar desses frente ao nosso maior rival é totalmente desastroso”, disse o jovem jogador, que complementou. “Foi uma apresentação pífia do Atlético”, acrescentou.

 

Fillipe Soutto espera que a goleada histórica sirva de aprendizado pelo Atlético para os próximos clássicos. “Tem de servir de aprendizado para o ano que vem para não entrar assim no ano que vem, nesse tipo de jogo”, destacou.


“Tristeza, frustração, mágoa por não ter feito o que a torcida do Atlético quis, é difícil falar nesse momento, vacilamos muito, jogo atípico totalmente pelo que vínhamos apresentando, não esperávamos isso, lição, descansar nas férias porque não podemos entrar assim em um clássico”, acrescentou Soutto.

 

Esporte