PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Falha com anéis, mascotes gigantes e belas imagens marcam abertura em Sochi

Do UOL, em São Paulo

07/02/2014 15h32Atualizada em 07/02/2014 18h55

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, em Sochi, na Rússia, foi encerrada nesta sexta-feira (7) sem o registro de protestos no Estádio Olímpico de Fisht. Uma falha logo no início, com os anéis olímpicos, produziu uma das imagens mais marcantes: o símbolo foi desabrochando aos poucos no centro do estádio, mas um dos anéis permaneceu recolhido.

Mas a presença dos três mascotes gigantes da Olimpíada – um urso, uma lebre e um leopardo – no meio do estádio e as belas performances de música e dança que tradicionalmente são apresentadas nas aberturas de Jogos também foram destaques da festa.

A cerimônia foi precedida por uma listagem de acontecimentos e personalidades marcantes da história russa. A queima de fogos e uma contagem regressiva nas arquibancadas deu início à festa em si, cujo conceito seria a cerimônia vista a partir dos olhos de uma menina chamada “Lubov”, palavra que significa amor.

A criança apareceu e “sobrevoou” o estádio, como se estivesse sendo carregada por uma pipa, que simbolizava uma viagem pelas diferentes regiões da Rússia. O país é o mais extenso do mundo, com cerca de 17 milhões de km².

Após a execução do hino russo – entoado de forma imponente por um coral –, começou o desfile dos atletas, que entraram a partir de um acesso especial no centro do gramado, ao contrário da tradicional entrada pelas laterais dos estádios olímpicos.

O que chamou a atenção foi a utilização do alfabeto cirílico, típico do país, que causou algumas diferenças na ordem de entrada das delegações. Os anfitriões russos foram os últimos a desfilar.

  • Falha dos anéis olímpicos marcou o início da cerimônia.

MUITA COR E POUCO FRIO

  • Os alemães se destacaram pelo uniforme colorido - que, para alguns, foi uma forma de protesto contra a lei antigay promulgada pelo presidente Vladimir Putin. O visual da Alemanha foi a atitude que mais se aproximou de uma manifestação contra Putin, que estava na cerimônia.

Apesar do frio de 6ºC, os atletas da delegação de Bermuda, como é tradição, desfilaram de shorts. Já os poucos competidores de Ilhas Cayman abusaram ainda mais, usando bermudas e chinelos.

  • Jaqueline Mourão foi a porta-bandeira da delegação brasileira, que conta com 13 atletas – é a maior quantidade de competidores do país na história dos Jogos de Inverno.

  • Um membro da delegação austríaca, por sua vez, teve o azar de sofrer uma queda durante o desfile.

  • Após o desfile dos atletas, os mascotes gigantes entraram no estádio, utilizando patins, esquis e uma prancha de snowboard.

  • A festa continuou com apresentações teatrais e de balé dedicadas à história da Rússia. A cor vermelha deu o tom na representação da Revolução de 1917 e do início do governo socialista da União Soviética, que durou até o começo da década de 1990.

  • Depois, o tema passou a ser o dia a dia da metrópole. Carros e motos percorreram a representação de uma rua, com letreiros e notícias sendo reproduzidas ao lado.

A ENTRADA DA TOCHA

  • A tenista Maria Sharapova, que foi criada em Sochi, entrou com a tocha olímpica e entregou a mesma a Yelena Isinbayeva, atleta do salto com vara. A tocha ainda passou pelas mãos de Aleksandr Karelin, da luta greco-romana, e da ginasta Alina Kabayeva, antes de chegar à patinadora Irina Rodnina e ao jogador de hóquei no gelo Vladislav Tretyak, que a carregaram até o local de acendimento da pira.

  • A festa foi encerrada com a pira olímpica acesa e a explosão de vários fogos de artifício. A cerimônia teve duração aproximada de duas horas e 45 minutos, 15 minutos a mais do que o previsto na programação.

CONHEÇA OS BRASILEIROS QUE VÃO COMPETIR EM SOCHI

Esporte