PUBLICIDADE
Topo

Surfe 360°

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Tudo pronto para a largada da temporada 2022 da WSL; Pipeline vai bombar

Italo Ferreira venceu a etapa de Pipeline em 2019 - WSL
Italo Ferreira venceu a etapa de Pipeline em 2019 Imagem: WSL
Thiago Blum

É jornalista esportivo desde 1992, mas acompanha o surfe há quatro décadas. Trabalhou por 19 anos na ESPN e atualmente é editor de esportes do Jornal da Band. Cobriu cinco Copas do Mundo e cinco edições dos Jogos Olímpicos.

Colunista do UOL

29/01/2022 04h00

Vai começar a deliciosa viagem do Dream Tour. Em destaque, as praias mais bonitas, as melhores ondas, os maiores surfistas.

Pra começar, nada melhor que o desafio de domar as bombas da bancada mais famosa do planeta: Pipeline.

A partir deste sábado, homens e mulheres vão dividir o line-up do pico mais comentado do Havaí. O Billabong Pro Pipeline é a 1ª das 10 etapas do tour 2022 da World Surf League. Em setembro, os 5 melhores do masculino e feminino, decidem a temporada na Califórnia.

Logo no primeiro dia de baterias, um swell de 8 a 10 pés é esperado.

O local John John Florence e a australiana Tyler Wright vão defender os troféus ganhos em 2020.

No caso delas, será a primeira em um campeonato completo disputado em Pipe, uma edição histórica.

Tyler - WSL - WSL
Australiana Tyler Wright venceu em Pipeline em 2020
Imagem: WSL

"Muito trabalho duro aconteceu para nos trazer aqui hoje. Acho que vamos levar alguns anos para nos acostumarmos com isso, mas é emocionante. Tenho medo de Pipe, nem escondo isso. É um onda que faz você puxar todos os recursos. Todas as escolhas e todas essas coisas que você tem que ler em meio segundo enquanto surfa lá, realmente puxa tudo que você tem como surfista.", diz Tyler Wright.

Na disputa dos homens, Gabriel Medina é o desfalque mais sentido. Outros três campeões mundiais estão inscrito: John John (2016 e 2017), Kelly Slater (11X) e Italo Ferreira (2019).

Com a ausência de Medina, Italo Ferreira é o único brazuca que já sentiu o sabor da vitória no torneio.

Filipe Toledo, Deivid Silva, Miguel Pupo, Jadson André, Caio Ibelli, João 'Chumbinho' Chianca e Samuel Pupo completam o time verde e amarelo, além de Tatiana Weston-Webb no feminino.

John - WSL - WSL
John John Florence vai defender o título em Pipeline
Imagem: WSL

"Meu objetivo este ano é ganhar o mundial. Aprendi muito com minhas lesões nos últimos dois anos. Tenho me esforçado e trabalhado na minha recuperação, e chegar este ano sem lesões e muito treinamento é muito bom. Aprendi muito sobre ser mais otimista em relação à minha situação.", disse John John.

Outro destaque da nova temporada são os estreantes.

A classe de novatos de 2022 dedicou bastante tempo nos sagrados cilíndros de Pipeline durante todo o inverno. As mulheres causaram ótima impressão antes de sua estreia no CT.

Bettylou Sakura Johnson e Luana Silva, de Oahu, ao lado das colegas estreantes Gabriela Bryan (HAW), India Robinson (AUS) e Molly Picklum (AUS), podem significar perigo para algumas veteranas.

munoz - WSL - WSL
Costa-riquenho Carlos Muñoz será um dos estreantes no tour da WSL
Imagem: WSL

No masculino, dois países terão representantes na elite pela primeira vez.

Carlos Muñoz pela Costa Rica e Lucca Mesinas pelo Peru.

Os australianos Jackson Baker, Liam O'Brien e Callum Robson, o americano Jake Marshall e a dupla brasileira Samuel Pupo e João Chumbinho completam o time dos rookies, turma que pode dar nova dinâmica no tour, e proporcionar o início de uma mudança de geração no esporte.

carissa - WSL - WSL
Havaiana Carissa Moore começa a busca pelo 6º título mundial
Imagem: WSL

Baterias do round 1 feminino:

Heat 1: Sally Fitzgibbons (AUS), Courtney Conlogue (USA), Molly Picklum (AUS)
Heat 2: Tatiana Weston-Webb (BRA), Gabriela Bryan (HAW), Malia Manuel (HAW)
Heat 3: Carissa Moore (HAW), Brisa Hennessy (CRI), Moana Jones Wong (HAW)
Heat 4: Johanne Defay (FRA), Isabella Nichols (AUS), Luana Silva (HAW)
Heat 5: Stephanie Gilmore (AUS), Tyler Wright (AUS), India Robinson (AUS)
Heat 6: Caroline Marks (USA), Lakey Peterson (USA), Bettylou Sakura Johnson (HAW)

Chumbinho - WSL - WSL
João Chumbinho, um dos brasileiros estreantes na elite da WSL em 2022
Imagem: WSL

Baterias do round 1 masculino:

Heat 1: Jordy Smith (AFS), Ezekiel Lau (HAW), Owen Wright (AUS)
Heat 2: Griffin Colapinto (USA), Liam O'Brien (AUS), Matthew McGillivray (AFS)
Heat 3: Morgan Cibilic (AUS), Connor O'Leary (AUS), Caio Ibelli (BRA)
Heat 4: Conner Coffin (USA), Jake Marshall (USA), Barron Mamiya (HAW)
Heat 5: Italo Ferreira (BRA), Callum Robson (AUS), Miguel Tudela (PER)
Heat 6: Filipe Toledo (BRA), Samuel Pupo (BRA), Ivan Florence (HAW)
Heat 7: Kanoa Igarashi (JPN), Seth Moniz (HAW), Carlos Munoz (CRI)
Heat 8: Frederico Morais (PRT), Miguel Pupo (BRA), Jackson Baker (AUS)
Heat 9: John John Florence (HAW), Jadson Andre (BRA), Joao Chianca (BRA)
Heat 10: Jack Robinson (AUS), Kelly Slater (USA), Lucca Mesinas (PER)
Heat 11: Kolohe Andino (USA), Ethan Ewing (AUS), Imaikalani deVault (HAW)
Heat 12: Leonardo Fioravanti (ITA), Deivid Silva (BRA), Nat Young (USA)

Pupo - WSL - WSL
De contrato renovado, Samuel Pupo vai estrear no Championship Tour
Imagem: WSL

A WSL faz questão de reforçar, que a saúde e a segurança dos atletas, funcionários e da comunidade local são de extrema importância.

E que está trabalhando em estreita colaboração com as autoridades locais para garantir todos os procedimentos contra a Covid, para manter todos seguros.

Incluindo triagem pré-evento, protocolos de teste e pessoal mínimo no local.

A janela do Billabong Pro Pipeline vai deste sábado até 10 de fevereiro.

por @thiago_blum / @surf360_