PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Você ainda duvida de Vinícius Jr?

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

28/05/2022 18h32

O melhor jogador brasileiro da atualidade decidiu! Chamado pejorativamente de ''Neguebinha'' e apontado como um jogador ''supervalorizado'' por muita gente, Vinícius Junior deu mais uma resposta. O atacante revelado pelo Flamengo entrou de vez na história da principal competição de clubes do Mundo ao marcar o gol do 14º título do seu Real Madrid. Courtois teve grande atuação e impediu que um Liverpool mais criativo saísse de campo vencedor. Casemiro, Militão e Valverde também merecem destaque!

Jurgen Klopp pôde contar com Thiago e o escalou ao lado de Fabinho e Henderson na trinca de meio-campo do Liverpool. Luis Diaz foi o escolhido na frente, e Mané jogou mais centralizado. Carlo Ancelotti optou por um time mais equilibrado com Valverde compondo o meio-campo pelo lado direito.

01 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Como Liverpool e Real Madrid iniciaram a final da Champions League 2021-2022 em Paris
Imagem: Rodrigo Coutinho

O Real Madrid passou todo o 1º tempo sem sequer finalizar. Isso dá uma boa dimensão do domínio do Liverpool antes do intervalo. Os merengues acertadamente marcaram atrás. Não deram a profundidade desejada pelo Liverpool, que mostrou repertório ofensivo para produzir. Além disso, os ingleses pressionaram bem a saída de bola dos espanhóis. Impediram que a equipe rival progredisse com desenvoltura no campo. Mantiveram a pelota no gramado ofensivo em grande parte do tempo.

Thiago era o grande regente do ritmo e da distribuição dos passes. Tinha Luiz Diaz mais fixo pela esquerda, o que deixou Robertson mais comedido que o costume. Pela direita, Arnold, Henderson e Salah mostravam entrosamento nos movimentos e na ocupação dos espaços. Davam mais volume no setor, o que fazia com que os ataques por ali fossem mais constantes. Revezavam o posicionamento e a postura.

Mané flutuava com inteligência pela intermediária, se somava ao setor da bola para gerar superioridade, e ainda pisava na área para finalizar. No melhor arremate, aos 20', obrigou Courtois a fazer grane defesa. A bola ainda pegou na trave. O goleiro belga foi o principal personagem do 1º tempo. Pegou três bolas de Salah. Uma delas muito difícil, no canto esquerdo, depois de linda jogada de Arnold.

01 - Alex Gottschalk/DeFodi Images via Getty Images - Alex Gottschalk/DeFodi Images via Getty Images
Mané, do Liverpool, lamenta chance perdida durante a final da Liga dos Campeões
Imagem: Alex Gottschalk/DeFodi Images via Getty Images

O Real tentava escapar da pressão do Liverpool acionando Vinícius Junior, mas o brasileiro, apesar da boa movimentação e das tentativas de drible na direção do gol, era muito bem vigiado por Arnold e Konaté. O time espanhol mostrava uma boa defesa dos espaços perto da própria área, mas não tinha tanta agressividade na abordagem de marcação, era permissivo, e dava tempo de raciocínio aos ingleses na intermediária.

Com a queda de ritmo dos Reds no fim, Mendy conseguiu acertar um belo lançamento para Benzema na grande área. Ele chegou a marcar após perder o ângulo e assistir Alisson e Konaté se enrolarem, mas estava impedido. O cenário não mudou tanto na 2ª etapa, mas era um Liverpool com ritmo mais baixo em relação ao seu natural. Mesmo assim criou uma boa jogada com Arnold pela direita. O lateral cruzou fechado e Courtois afastou.

Menos abafado pela pressão inglesa, o Real conseguia algumas escapadas. Em uma delas, superou uma ''pressão alta'' do time de Klopp com trocas de passes curtos e aproximação. Casemiro serviu Valverde pela direita, ele carregou com liberdade e chutou cruzado. Vini Jr apareceu nas costas de Arnold e marcou.

02 - Alexander Hassenstein - UEFA/UEFA via Getty Images - Alexander Hassenstein - UEFA/UEFA via Getty Images
Vini Junior, do Real Madrid, comemora seu gol na final da Liga dos Campeões
Imagem: Alexander Hassenstein - UEFA/UEFA via Getty Images

Os espanhóis se engradeceram com o gol. Mesmo acossados pelos ingleses, mostravam mais contundência na abordagem de marcação. Casemiro era um ''leão'' na entrada da área! Assim como Courtois na meta. O arqueiro defendeu mais quatro finalizações perigosas de Salah e impediu o empate. Firmino e Diogo Jota entraram bem. Keita foi mais um a sair do banco e aumentar a intensidade dos Reds.

O Liverpool produziu mais, fez uma campanha mais equilibrada, mas do outro lado havia o Real Madrid. Um clube que desafia a lógica e teve Courtois e Vinícius Junior em noite muito decisiva. É exatamente por isso que o futebol é maravilhoso! A quantidade de fatores que pode determinar um resultado é imprevisível.