PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: 'IDV' exporta mais dois para o Brasil. Conheça Garcia e Hurtado

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

11/01/2022 04h00

Já escrevi aqui algumas vezes sobre o sucesso do projeto do Independente del Valle, clube emergente equatoriano, e que certamente está entre os que mais revelaram bons jogadores nos últimos dez anos na América do Sul. Alguns atletas já vieram de lá e tiveram sucesso ou não no Brasil. Bryan Garcia vestirá a camisa do Athlético. E José Hurtado será reforço do Red Bull Bragantino. Mais dois bons jogadores chegando por aqui.

Bryan Garcia

O Furacão segue garimpando bons e jovens valores pelo interior do Brasil ou no resto do continente. Bryan Garcia é mais um desses exemplos. Talentoso, mas ainda longe de estar pronto para chegar aqui e ser um destaque absoluto da equipe. Se conseguir se adaptar rapidamente, pode ser peça importante no elenco com sua dinâmica no meio-campo.

O atleta completará 21 anos no próximo dia 18 e foi alçado aos profissionais do clube de Salgolquí em meados de 2020. Conseguiu espaço aos poucos, e quatro meses depois já jogava as oitavas de final da Libertadores como titular. Em 2021 manteve o status. Entrou e saiu do time de acordo com a estratégia do técnico Renato Paiva. Era uma espécie de 12º jogador da equipe que venceu o Campeonato Equatoriano.

A concorrência não era tão simples. Disputava posição com Previtali, Junior Sornoza e Faravelli, jogadores de bom nível técnico e mais experimentados, mas foi importante em diferentes momentos. Fez 56 jogos nas últimas duas temporadas, 24 como titular, marcou três gols e deu uma assistência.

Bryan Garcia consegue aliar duas características fundamentais para jogadores de meio-campo: capacidade de articulação e infiltração. Não é exatamente um atleta cerebral, que achará soluções fantásticas com seus passes, mas ''carimba'' a bola, tem qualidade no fundamento, e se mexe bastante, gerando volume e opção de jogada a todo momento. Faz tabelas e triangulações, mas também lê os espaços para correr e receber em profundidade.

Como se trata de um jogador leve, tem facilidade para se mover com desenvoltura. É rápido e faz boas transições, tanto ofensivas quanto defensivas. Precisa ganhar força física para sustentar adversários mais fortes e jogos com tal característica. Também pode diminuir as oscilações de concentração que acontecem com certa frequência dentro do mesmo jogo.

É ideal para jogar na meia-direita em um 4-1-4-1. Ou como o volante mais ofensivo de um 4-2-3-1. Também pode ser utilizado como um ''falso ponta'', saindo da direita e flutuando por dentro, e já foi improvisado como ala-direita. É destro e chuta bem de média distância.

José Hurtado

Hurtado nasceu exatamente no mesmo ano de Bryan Garcia, mas é 11 meses mais novo, e mesmo assim conseguiu sequência no time titular do Independiente del Valle. Será anunciado como jogador do Red Bull Bragantino, que segue com sua ''política-base'': identificar talentos jovens, desenvolver, e obter ganhos esportivos ou financeiros com vendas futuras. O lateral equatoriano é um ativo importante neste sentido.

Com apenas 19 anos foi reserva da seleção equatoriana na última Copa América. Não chegou a entrar em campo na competição, mas foi titular no empate em 0x0 com o Chile, pelas Eliminatórias para a Copa, no último mês de setembro. É certamente um dos principais atletas jovens do país. Apontado como um lateral-direito de muito futuro!

O jogador frequenta os profissionais de sua ex-equipe desde 2019. Ficou no banco duas vezes ainda sob o comando de Miguel Ángel Ramirez. Venceu a Libertadores Sub-20 no ano seguinte e recebeu a primeira oportunidade no time principal, também com o técnico espanhol. A partir de março de 2021 tomou conta da lateral do Del Valle e foi titular o ano inteiro com Renato Paiva no comando.

A importância dele para a equipe pode ser medida pela assistência dada em um dos jogos da final contra o Emelec e por ter iniciado seis das últimas sete partidas da competição. Trata-se de um jogador agressivo, intenso e rápido. Tem muita atitude explorando o corredor direito, quase sempre bem aberto, com personalidade de partir pra cima dos adversários e tentar jogadas individuais.

Possui bom repertório de dribles e toma decisões eficazes ao chegar na linha de fundo, principalmente se considerarmos a idade. Pensando no modelo de jogo do Red Bull Bragantino, Hurtado terá que se adaptar a uma nova realidade tática. O Massa Bruta, assim como o Del Valle, também executa o ataque posicional para criar, mas os laterais cumprem papeis diferentes.

No time equatoriano, ele tinha total liberdade para explorar a amplitude. Jogava sempre ''em cima'' da linha lateral. Na equipe brasileira, os laterais atacam pouco desta forma. Ficam mais por trás da linha bola, auxiliando o volante na circulação e atacando em diagonal pelo meio muitas vezes. Hurtado precisa ganhar capacidade de articulação, costume em jogadas mais pausadas, quando tiver menos espaço para pensar e agir.

Defensivamente dá boas respostas, tanto em posicionamento, quanto em postura de marcação diante de duelos individuais. Tem força e intensidade para pressionar a bola, tempo de reação eficiente em passes nas suas costas e jogo aéreo eficiente. Se precipita em alguns momentos, mas é algo natural da idade, a tendência é não ter problemas assim ao longo da carreira.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL