PUBLICIDADE
Topo

Histórico

O absurdo nosso de cada dia

Rodrigo Viana

Rodrigo Viana

Os Canalhas' resgatam um jeitão diferente de jornalismo. O maior canalha da tv brasileira, João Carlos Albuquerque, ex- ESPN, se lança nas plataformas digitais, ao lado do irreverente Rodrigo Viana, com passagens pelas Tvs Globo, Band e SBT, onde fez a cobertura do título mundial do Corinthians. Albuquerque ficou eternizado na ESPN Brasil com o Bola da Vez e o Bate Bola. Já Viana lançou o livro A Bola e o Verbo, pela Summus, e é autor de várias reportagens investigativas, feitas também aqui no UOL. Inteligência e humor refinados.

31/07/2020 00h34

Bastou o Corinthians ter vencido o Red Bull Bragantino, com o primeiro gol com menos de um minuto de jogo, numa falha incrível do goleiro Júlio César, e um segundo gol marcado por Jô, que não tinha atuado em nenhuma partida neste ano, para Tiago Nunes voltar a ser tratado como o 'novo Guardiola' brasileiro por alguns torcedores e, pasmem, alguns colegas. Calma! Nem uma coisa nem outra.

O Red Bull Bragantino ainda vai dar muito trabalho no campeonato Brasileiro. Esta volta do Paulista, em meio ao caos que vivemos, volto a dizer, não serve de régua para nada. Talvez para mensurar a capacidade física de algumas equipes. E mais nada.

Assim como Fernando Diniz não deve ser crucificado (e já foi!) pela desclassificação contra um bom Mirassol, que tem uma maneira de jogar constante - coisa absolutamente ignorada pela maioria.

Também no caso do Santos, não é o caso de desconstruir o recém-iniciado trabalho de Jesualdo. Mire-se, antes, para as lambanças da diretoria, para a expulsão irresponsável de Marinho e outras questões.

O absurdo do momento parece ganhar concretude quando olhamos para a Ponte Preta. A equipe de Campinas era a última colocada do Campeonato antes da volta do campeonato. Última, lanterninha mesmo. Eliminou o Santos na Vila Belmiro e, mais concentrada nestas últimas três partidas, ouso dizer que tem um ligeiro favoritismo contra o bagunçado Palmeiras, que venceu o Santo André no finalzinho.

O momento é tão estranho, mas tão estranho, que o Guarani - que retornou da pandemia praticamente classificado - não passou da primeira fase. O mundo dá voltas rapidamente, mas em Campinas ele capota, como dizem!

Não duvidem, portanto, de uma final entre Mirassol e Ponte Preta. Nem riam. Estamos no momento do improvável. Os cegos e soberbos não querem ver. A culpa não é dos técnicos.