PUBLICIDADE
Topo

Plural é um projeto colaborativo do UOL com coletivos independentes, de periferias e favelas para a produção de conteúdo original


Papo Preto #56: uma análise dos movimentos negros na COP26

De Ecoa, em São Paulo

20/11/2021 06h00

Neste episódio de Papo Preto, Yago Rodrigues conversa com a ativista socioambiental Vitória Pinheiro e a estudante de justiça climática Andreia Coutinho sobre racismo ambiental, principal pauta levada pelo movimento negro para a COP26. O episódio foi gravado em Glasgow, na Escócia, durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas.

O conceito de racismo ambiental significa que nenhuma pessoa deveria sofrer de forma desigual a extensão do problema do meio ambiente. Durante a COP26 foi assinado um manifesto pela educação climática de forma estruturante nos currículos escolares, como forma de conscientizar crianças, adolescentes e jovens sobre a emergência climática desde sempre.

Andreia Coutinho sentiu que essa conferência avançou em termos de diversidade, em comparação com a última. "A COP26 foi difícil em termos de negociação, mas foi muito mais representativa, teve um público muito diverso, apesar de ainda ser uma representatividade aquém do que precisamos" (a partir de 3:15 do arquivo acima).

Para Vitória Pinheiro ver o protagonismo de pessoas de periferias em uma conferência mundial é notável, mas não é o suficiente. "A conferência permanece excludente, governantes discutem sobre pessoas que não estão aqui. Eu sou a primeira mulher negra e trans na COP, no espaço do Brasil, estou aqui representando, mas não estou representada" (a partir de 4:15 do arquivo acima).

Para as duas ativistas, a assinatura do manifesto pela educação climática é um começo para informar as pessoas desde sempre, sobre a existência do racismo ambiental. "Quanto mais crianças, adolescentes e jovens conseguirmos formar com essa consciência de o que é racismo ambiental, mais vão levar para as suas vidas" (a partir de 18:49 do arquivo acima).

Papo Preto é um podcast produzido pelo Alma Preta, uma agência de jornalismo com temáticas sociais, em parceria com o UOL Plural, um projeto colaborativo entre o UOL, coletivos e veículos independentes. Novos episódios vão ao ar todas as quartas-feiras.

Podcasts são programas de áudio que podem ser ouvidos a qualquer hora e lugar — no computador, smartphone ou em outro aparelho com conexão à internet. Você pode ouvir Papo Preto no canal do UOL no YouTube e nas plataformas de podcast Spotify, Google Podcast, Deezer, Apple Podcast e CastBox.