PUBLICIDADE
Topo
Empresas que mudam

Empresas que mudam

Política de bolsa de estudos é estratégia para diversidade corporativa

Estudante durante cerimônia para entrega de diploma  - Brian Snyder/Reuters
Estudante durante cerimônia para entrega de diploma Imagem: Brian Snyder/Reuters

Carmen Lúcia

Colaboração para Ecoa, do Rio de Janeiro

02/12/2020 04h00

Ampliar o processo de seleção para garantir a entrada de profissionais de negros e periféricos nas empresas é apenas uma das estratégias corporativas para assegurar diversidade, igualdade de oportunidades a grupos historicamente vulnerabilizados e desenvolvimentos de lideranças plurais. Investir na educação de seus funcionários é outra iniciativa que pode acelerar o processo de transformação.

E foi isso que a Magazine Luiza fez: passou a oferecer bolsas de estudo. "A ideia veio até nós, a partir do time de recurso humanos do Magalu, que percebeu o interesse dos colaboradores em se desenvolverem e melhorarem a performance ainda mais. Com isso, a empresa se movimentou para dar o máximo de suporte possível à educação, considerada por nós, fundamental para o desenvolvimento social e econômico da população e, portanto, do nosso país", explicou Romeo Ruggiero, gerente de remuneração e benefícios da Magazine Luiza. A empresa custeia atualmente até 50% do valor da mensalidade.

"Somos uma empresa formada por mais de 37 mil colaboradores e temos orgulho de todas as pessoas que trabalham conosco. Do nosso lado, ajudamos com o subsídio de parte do valor da mensalidade do colaborador e, assim, apoiamos e facilitamos o acesso ao que é fundamental para o desenvolvimento da nossa sociedade: a educação", diz.

Em 2020, foram beneficiados 2.570 colaboradores. A política interna é aberta a todos os funcionários que trabalham na empresa há pelo menos um ano.

Fachada de loja da rede Magazine Luiza - Divulgação - Divulgação
Fachada de loja da rede Magazine Luiza
Imagem: Divulgação

"O percentual de reembolso é calculado de acordo com o curso escolhido e o tempo de casa do colaborador. O benefício não tem vínculo com as instituições de ensino, portanto, todas são aceitas", explica o gerente. A bolsa também se estende para outras modalidades de ensino, como cursos temporários e de curta duração que tenha vínculo com as atividades do colaborador sejam aprovadas por líderes.

Marli da Silva Campos, 49, é gestora administrativa da Magazine Luiza e com a ajuda do projeto pode cursar administração de empresas. "Este suporte foi muito gratificante, pois assim, eu consegui mais uma conquista na minha vida pessoal. Sem essa ajuda financeira da bolsa de estudos, talvez eu não conseguisse realizar o sonho de ter uma formação superior".

Funcionária da Magalu há 11 anos, Marli acredita que muitos sonham com o acesso ao conhecimento, mas poucos conseguem realizá-lo. Com ajuda e oportunidade, esse cenário está mudando.

Romeo acredita que em 2020, mais do que em qualquer outro ano, as empresas precisam se mobilizar para colaborar com a construção do futuro dos seus funcionários e também fazer a diferença quando o assunto é educação.

"Neste ano, tão difícil para todos nós, tivemos o apoio incondicional dos nossos colaboradores e, mais do que nunca, trabalhamos como um time. Foi preciso fechar temporariamente todas as nossas lojas e escritórios. Tivemos um time valente, da logística, que se manteve firme para garantir o fornecimento de produtos para nossos clientes. Fizemos 5 meses em 5 semanas", explicou ele.

Banner apresentação ciclo de Educação - Arte/UOL - Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Empresas que mudam