PUBLICIDADE
Topo

Julie Dorrico

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Indígenas unem Argentina, Brasil e Equador com discussões online e um ebook

Imagem de um dos encontros virtuais realizados pelo grupo - Reprodução/YouTube
Imagem de um dos encontros virtuais realizados pelo grupo Imagem: Reprodução/YouTube
Julie Dorrico

Julie Dorrico é doutora em teoria da literatura na PUC-RS. Autora da obra "Eu sou macuxi e outras histórias" (Caos e Letras, 2019) que venceu o 1º Lugar no Concurso Tamoios de Novos Escritores Indígenas, promovido pelo Instituto UK'A e Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ, 2019). Descendente do povo macuxi (Roraima). Organizadora da Coleção Memórias Ancestrais, obras de autoria indígena, pela Editora Tekoha (2021). Este é um espaço-terreno para reflorestar simbolicamente a educação brasileira. Buscando fortalecer o uso da lei 11.645/2008 que tornou obrigatório o ensino das culturas e histórias afro e indígenas em todo currículo escolar, esta coluna busca compartilhar iniciativas, projetos e temas indígenas que possam fortalecer a educação étnico-racial no país.

19/01/2022 06h00

"Diversidade Indígena Viva" é um dos 20 projetos selecionados no Edital IberCultura Viva de Apoio a Redes e Projetos de Trabalho Colaborativo 2021. O projeto é uma semente que começou a germinar como uma comunidade colaborativa de aprendizagem, através da participação de 14 indígenas, de 12 diferentes etnias, provenientes de distintas regiões de Argentina, Brasil e Equador.

Sete homens e sete mulheres, anciãos, adultos e jovens, começaram em outubro de 2021 a partilhar experiências, opiniões, visões, saberes e sentimentos através das ferramentas digitais, de forma sincrônica, realizando seis "fogueiras digitais" (com transmissão pelo YouTube). Os encontros eram de aproximadamente duas horas cada um, deixando a palavra fluir como tradicionalmente acontece nas comunidades indígenas quando se reúnem em volta do fogo.

Dessas fogueiras participou também o realizador audiovisual Sebastián Gerlic que, livremente, editou faíscas das fogueiras em mais de 40 vídeos curtos. A comunidade também vem se valendo de dois grupos de WhatsApp para, de forma assíncrona, dialogar e projetar a produção de um ebook, que deve ser lançado este ano.

O coletivo entende que existe uma diversidade de sabedorias indígenas vivas que inspiram e podem inspirar ainda mais a humanidade, que neste especial momento está renascendo no caldo das sobrepostas crises: a ambiental, a economia, a sanitária... A humanidade está na crista de sua terceira grande virada, desafiada a mudar seus paradigmas, urgida a sair da cultura extrativista assassina e suicida e se harmonizar através de uma cultura biocêntrica, de bem-viver para todos os seres.

A diversidade de sabedorias e conhecimentos vivos nas culturas dos indígenas de Abya Yala representam força e rumo para todos no planeta Terra. Através dos 14 indígenas participantes desta aventura, mensagens são e serão espalhadas para todas as pessoas, de crianças a adultos, inicialmente em conteúdos produzidos em português, espanhol e ou nas próprias línguas indígenas dos participantes.

Da Argentina já participam: Tinkina Solita Tenokoté (Santiago del Estero); Lecko Zamora Wichí (Chaco); Liliana Claudia Huarpe (Mendoza); e a Casqui Curaca Mariela Comechingón Sanavirón Tulián (Córdoba). Desde Brasil: Horopakó Desana (Amazônia); Cacique Kaji Waurá (desde o Xingú); Morubixabas Itamirim e Weramoru Tupi Guarani (São Paulo); Nhenety Kariri-Xocó (Alagoas) e Maria Pankararu (Pernambuco). Desde Equador: Lauro Jerônimo Saant e Yamanua Shuar (Amazônia); José Atupuña (Kichua) e Angel Ramirez Eras, da cultura Palta da região de Loja.

A rede, além de fortalecer as relações entre as pessoas participantes, fortalece também diálogos entre comunidades, coletivos, redes e instituições, tendo especial protagonismo na promoção das parcerias a ONG Thydewa (Brasil) e a Fundação Guanchurro (Equador). Todos os participantes têm forte histórico com atividades interculturais; muitos deles têm também com comunicação, com arte, com educação, e/ou com liderar.

Veja abaixo os vídeos:

1ª FOGUEIRA (2 de novembro de 2021)

2ª FOGUEIRA (9 de novembro de 2021)

3ª FOGUEIRA (17 de novembro de 2021)

4ª FOGUEIRA (22 de novembro de 2021)

5ª FOGUEIRA (29 de novembro de 2021)

6ª FOGUEIRA (6 de dezembro de 2021)

Alguns dos vídeos curtos:

1 faísca: Amor (Mariela) https://youtu.be/Q8eF6M2aAHc
1 chispa: El Amor (Mariela) https://youtu.be/RX1H9wz089s
2 faísca: Sonhar (Lauro) https://youtu.be/OzafZUutfVg
2 chispa: Soñar (Lauro) https://youtu.be/vk1uol-drGg
3 faísca: Ancestrais (Solita) https://youtu.be/2OOCieR07js
3 chispa: Ancestros (Solita) https://youtu.be/loHrmJKYU20
4 faísca: Resistir (Maria) https://youtu.be/zTTRioUmLnY
4 chispa: Resistir (Maria) https://youtu.be/ZfgYyKMxoLg
5 faísca: Morrer (Lauro 2) https://youtu.be/r5H5SrcQoxg
5 chispa: Morir (Lauro 2) https://youtu.be/qs9llF9_0yM

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL