PUBLICIDADE
Topo

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Como magnata chinês que comprou Volvo da Ford planeja enfrentar a Tesla

Li Shufu, diretor do Zhejiang Geely Holding Group - Yilei Sun/Reuters
Li Shufu, diretor do Zhejiang Geely Holding Group Imagem: Yilei Sun/Reuters

Da Reuters

11/09/2021 04h00

"Você sabe o quão grande é a Volvo?" perguntou Don Leclair, chefe financeiro da Ford.

Era 2008 e Leclair estava respondendo à oferta de um empresário chinês pouco conhecido para comprar a montadora sueca, de propriedade da Ford.

O empresário, Li Shufu, tinha uma empresa com menos da metade das vendas da Volvo e um modelo carro-chefe, King Kong, quase desconhecido fora da China. Ele teve de mostrar educadamente a porta da "Glass House", icônica sede da Ford perto de Detroit, de acordo com duas pessoas que estavam na reunião. Leclair, da Ford, não respondeu aos pedidos de comentários sobre o episódio.

Avançando para 2021, a empresa de Li Shufu, o Grupo Geely, é uma das montadoras que mais vendem no maior mercado automotivo do mundo. Ela controla não apenas a Volvo Cars, mas também um punhado de marcas automotivas globais, e tem uma participação significativa na gigante alemã Daimler, dona Mercedes-Benz. Esses nomes agora fazem parte de seus planos para uma revolução nos automóveis.

Hoje controlada pela chinesa Geely, sueca Volvo segue resoluta no rumo da total eletrificação - Divulgação - Divulgação
Hoje controlada pela chinesa Geely, sueca Volvo segue resoluta no rumo da total eletrificação
Imagem: Divulgação

A Geely está preparando a Volvo para uma listagem na bolsa Nasdaq de Estocolmo como uma rota para o futuro do transporte: onde os carros fazem parte de uma rede eletrificada de serviços de mobilidade, dirigindo-se, conectando-se uns aos outros e - como telefones celulares - gerando uma série de dados e novas oportunidades de negócios.

É uma visão mais do Vale do Silício do que de Detroit, onde fabricantes de automóveis tradicionais em todo o mundo estão perseguindo outra gigante - a Tesla.

Li Shufu e seus conselheiros finalmente convenceram a Ford a se separar da Volvo em 2010 por US$ 1,8 bilhão. Foi o primeiro em uma série de negócios, aproveitando marcas como Lotus, Smart e London Electric Vehicle Company para formar uma rede que ele chama de "um círculo maior de amigos" em todos os segmentos da indústria.

Li Shufu os vê como blocos de construção para ajudar a Geely a competir em um futuro onde automóveis não são veículos, mas sim "prestadores de serviços", disse ele à Reuters na sede da Geely em Hangzhou, leste da China.

Nesse modelo de negócio, os carros estarão disponíveis por assinatura e oferecerão serviços, como fazer pagamentos. Eles vão atualizar seu próprio software e gerar oportunidades da mesma forma que os sistemas operacionais móveis desenvolvidos pela Apple e pelo Google.

"Estamos tentando criar um ecossistema automotivo semelhante ao Android", disse ele.

Li Shufu, de 58 anos, adotou recentemente um primeiro nome estrangeiro - Eric - porque gostou do som. Ele veio de uma remota vila de pescadores no leste da China, passando pelo chão sujo de uma fábrica, até o coração da indústria automobilística mundial. Seus subordinados muitas vezes ainda o chamam de Presidente Li.

Este relato de sua evolução para um dos líderes mais singulares do setor é baseado em entrevistas com o próprio Li Shufu, bem como rivais e executivos de empresas nas quais a Geely investiu. Eles revelam um oportunista ágil que está fazendo uma série de apostas iniciais - em empreendimentos como carros voadores e helicópteros táxis - para se preparar para a nova era dos automóveis.

Além de veículos, a Geely tem um banco dinamarquês, uma startup que está desenvolvendo tecnologia de software de controle de veículos e a Geespace, uma empresa com sede na China que recebeu luz verde de Pequim este ano para fazer satélites de órbita baixa que serão os olhos de máquinas autônomas. A escala de seus investimentos - abrangendo Europa, Sudeste Asiático, China e Estados Unidos - é única entre as montadoras chinesas.

Questionados sobre sua função, alguns dos rivais de Li Shufu disseram que seu status de relativamente novo na indústria dá à Geely uma vantagem potencial. Ele não está sobrecarregado por uma grande rede de fornecedores relacionados à gasolina, por exemplo, disse um engenheiro da Toyota, que falou sob condição de anonimato: Isso torna mais fácil para ele mudar para uma indústria digital.

"Entre as montadoras tradicionais, a Geely tem o olhar mais sofisticado sobre o futuro da mobilidade", disse Bill Russo, chefe da consultoria Automobility Ltd em Xangai e ex-executivo da Chrysler. "Eles entendem que a natureza deste modelo está mudando."

Mas as ambições de Li Shufu enfrentam desafios crescentes. Para concretizar essa visão, executivos de vários rivais dizem que ele precisa melhorar as percepções de seus próprios carros.

"O maior desafio da Geely é seu nome, em parte devido ao seu passado como uma marca de carros de baixo custo", disse um executivo da Honda. "Como a Geely passou disso para se tornar uma marca parecida com a Apple?

E Li Shufu está se movendo em um clima global cada vez mais tenso.

Sua estratégia de construir alianças diversificadas em todo o mundo tornou-se possível nos últimos 15 anos de relativa abertura ao compartilhamento de tecnologia e colaboração de marketing. Agora, a rivalidade de superpotência entre os Estados Unidos e a China levou a uma guerra comercial acirrada, e Washington e seus aliados estão bloqueando a expansão das principais empresas chinesas de tecnologia.

O empresário chinês não se intimidou e diz que seus investimentos estrangeiros são um mapa de oportunidades.

"Todas as estradas podem levar a Roma", disse Li Shufu. "Mas a questão é qual é a estrada certa e qual estrada leva a Roma mais rápido?"

Como muitas outras empresas na China, a Geely parece ansiosa para acompanhar os pronunciamentos do presidente Xi Jinping, que cada vez mais clama pela necessidade de promover o que chama de "prosperidade comum". Em junho, antes do 100º aniversário do Partido Comunista Chinês, a Geely emitiu um comunicado à imprensa anunciando a "Iniciativa de Prosperidade Comum Geely" para ajudar os funcionários na cidade de Ningbo, onde a empresa possui várias instalações.

Li Shufu foi membro de alguns órgãos políticos na China. Ele já integrou a Conferência Consultiva Política do Povo Chinês, um importante órgão consultivo político. E ele foi um delegado em março deste ano no Congresso Nacional do Povo, o parlamento amplamente aprovado da China.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL