PUBLICIDADE
Topo

Moto com cinto de segurança? Mulher leva multa 'impossível' em SP

Secretária ficou indignada com multa que não teria como cometer a bordo de moto; auto de infração não é cancelado automaticamente - Arquivo pessoal
Secretária ficou indignada com multa que não teria como cometer a bordo de moto; auto de infração não é cancelado automaticamente Imagem: Arquivo pessoal

Ed Rodrigues

Colaboração para o UOL, do Recife (PE)

24/05/2021 12h58

Uma moradora do município de Osvaldo Cruz, no interior paulista, foi multada por circular pelas ruas da cidade sem o cinto de segurança. A infração de trânsito, no entanto, surpreendeu a secretária Larissa Munhós por um simples fato: o meio de locomoção dela é uma motocicleta.

A autuação inusitada provocou um desabafo da condutora nas redes sociais. Larissa levou o assunto até a Prefeitura da cidade. "Quero saber onde compro este acessório para eu utilizar na minha moto?", questionou no post.

A suposta irregularidade teria ocorrido no dia 17 de abril, mas o auto de infração só chegou à casa de Larissa na última sexta-feira (21).

A moto Honda que foi alvo da multa em Osvaldo Cruz, no interior de SP; prefeitura admite erro - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
A moto Honda que foi alvo da multa em Osvaldo Cruz, no interior de SP; prefeitura admite erro
Imagem: Arquivo pessoal

No documento, o órgão fiscalizador de trânsito informou que a autuação aconteceu por "deixar o condutor de usar o cinto de segurança".

Para UOL Carros, Larissa Munhós contou que estava no trabalho quando o marido ligou para falar sobre a notícia desagradável.

"Ele me ligou na hora dizendo que eu havia tomado uma multa com a moto. Porém, na mesma hora, ele a leu para mim, e ficamos indignados", disse.

A secretária acionou o órgão de trânsito de Osvaldo Cruz e foi orientada a recorrer. "Minha indignação foi pela falta de atenção de quem redigiu a multa. Minha cidade tem 30 mil habitantes, bem pequena. Creio que foi um erro de digitação da placa."

Larissa e o marido agora preparam a defesa para enviar ao Demutran (Departamento Municipal de Trânsito).

Procurado, o Demutran informou que os agentes ou os policiais que atuam no dia a dia do trânsito podem se equivocar.

"E deste modo, erros acontecem, a troca de um número ou uma letra da placa de identificação pode fazer com que a autuação de um veículo possa cair em outro", destacou em nota.

O órgão fiscalizador ressaltou que o equívoco pode ser solucionado por meio de um recurso produzido pela parte interessada.

"Basta a condutora procurar o Departamento Municipal de Trânsito e protocolar um recurso, que pode inclusive ser preenchido de próprio punho, gratuitamente, anexando cópia dos documentos pessoais e do veículo."

O Demutran acrescentou que a queixa será avaliada por uma junta administrativa de recursos.

"Sendo identificada tal situação, caracterizando erro de preenchimento ou mesmo a inexistência da infração, o auto será cancelado sem qualquer consequência", garantiu.