Topo

Salão de Frankfurt


Ativistas "invadem" o Salão de Frankfurt e pedem banimento dos SUVs

Greenpeace diz que indústria "ainda não entendeu" crise climática - Ricardo Ribeiro/Colaboração para o UOL
Greenpeace diz que indústria "ainda não entendeu" crise climática
Imagem: Ricardo Ribeiro/Colaboração para o UOL

Ricardo Ribeiro

Colaboração para o UOL, de Frankfurt (Alemanha)

10/09/2019 06h25

Resumo da notícia

  • Greenpeace colocou picape com balão preto em frente ao pavilhão do evento
  • Ativistas alegam que indústria não entendeu problema da crise climática
  • Novo protesto está marcado para domingo (15)

Nem tudo foi lançamento e festa no mais importante salão do automóvel da Europa. O Greenpeace realizou um protesto na entrada do Salão de Frankfurt, que começou hoje para a imprensa.

O grupo estacionou uma picape preta no acesso principal da feira. Uma enorme bola preta inflável, com a inscrição CO2, saía de tubulações na caçamba, simulando escapes de gases avantajados. Cerca de dez ativistas do grupo seguravam cartazes com dizeres como "parem de dirigir a mudança climática".

"Estamos em uma crise climática e a indústria automobilística ainda não entendeu isso. A pegada de carnono no ano passado excedeu os limites da União Europeia. Aqui no Salão de Frankfurt eles estão celebrando SUVs grandes a gasolina, ao invés de abandoná-los, de abandonar os motores a combustão para um futuro livre de emissões", afirmou a UOL Carros Benjamin Stephan, representante do Greenpeace para Clima e Mobilidade.

Embora os fabricantes estejam anunciando novos modelos elétricos com alguma frequência há pelo menos três anos.

"Se você olhar dentro do salão, muitos desses elétricos são SUVs grandes, o que não é uma opção. Ou são ainda híbridos, que têm motores a combustão, que usam diesel ou gasolina, e ainda estão destruindo o clima e o planeta. Em termos das grandes soluções reais que precisamos, a indústria do carro ainda não está fornecendo-as", diz Stephan.

Um novo protesto está agendado para domingo (15). Os ativistas prometem lotar as ruas de acesso ao evento de bicicletas para causar congestionamentos.

O protesto gerou reações, ainda que discretas, da indústria. Em uma das primeiras coletivas do evento, o presidente mundial da Mercedes, Ola Källenius, defendeu que a indústria está mudando.

"A Mercedes está se eletrificando. É uma mudança fundamental na indústria. Eu sei que há alguma impaciência. Para alguns, a mudança não é rápida o suficiente. Quero garantir que nos também estamos impacientes e estamos trabalhando muito por isso", disse Källenius.

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Salão de Frankfurt