PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Barn finds: como veículos abandonados e destruídos podem valer milhões

Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

13/03/2021 07h00

(SÃO PAULO) - Ficou famosa a história da única Ferrari Dino 208 GT4 1975 emplacada no Brasil que, após anos de abandono e deteriorações, encontrou uma restauração no fim do túnel. Mais do que um clássico relegado ao desprezo ou uma heresia automotiva, o esportivo italiano é vetor de uma história triste de separação entre pai e filho.

É disso que se trata os "barn finds": veículos resgatados de celeiros (daí o nome), fazendas, sítios ou até quintais, geralmente valiosos do ponto de vista financeiro ou histórico e geralmente acompanhados por dramas sentimentais.

Há perfis no Instagram dedicados ao tema, canais de Youtube e profissionais, que vivem de caçar exemplares abandonados.

Quem se deu bem recentemente foi a Beverly Hills Car Club, que colocou à venda do jeito que encontrou um Mercedes-Benz 300SL Roadster 1961: enferrujado e depenado, o esportivo alemão foi vendido por US$ 800 mil. Segundo a loja de clássicos americana, o conversível estava completamente original, mantendo inclusive a rara configuração de exterior e interior combinados em azul. O carro também acompanha histórico de serviços de manutenção, nota fiscal de venda e manual do proprietário.

Mercedes SL - Beverly Hills Car Club - Beverly Hills Car Club
Imagem: Beverly Hills Car Club

Existe também a história da Ferrari 365 GTB/4 Daytona encontrada num galpão no Japão. Em 1969 a Ferrari produziu cinco carros com carroceria de alumínio feita pela Scaglietti para seu programa de competição. Eram as 365 GTB/4 Competizione. Sabe-se lá como, uma delas virou um carro de rua, à época adquirido por Luciano Conti, amigo de Enzo Ferrari.

Após passar pelas mãos de outros dois proprietários italianos, a Daytona Berlinetta Alloy foi parar no Japão, onde teve dois novos donos até chegar à garagem de Makoto Takai, onde ficou guardada por 37 anos. Em 2017, foi leiloada pela RM Sotheby's por 1,81 milhão de euros.

Ferrari GTB - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Outro exemplo clássico de barn find surgiu em 2018, quando a Land Rover resgatou um Series I (que anos adiante se converteria no Defender) a poucos quilômetros de sua fábrica, em Solihull, completamente deteriorado. É raro uma empresa se interessar por carros abandonados, mas aquele não era qualquer Series I, mas sim um dos três que foram exibidos no Salão de Amsterdam de 1948, quando a empresa fez sua estreia mundial.

Land Rover Series I  - Divulgação  - Divulgação
Imagem: Divulgação

Ninguém sabe o destino desse jipe depois do evento, mas descobriu-se que seus últimos passos foram dados nos anos 1960. E que depois disso ele ficou abandonado num campo por 20 anos, até ser comprado por alguém que planejava restaurá-lo. Novamente esquecido, foi definhando até ser resgatado pela Land Rover - justamente no aniversário de 70 anos do modelo.

No museu da Audi, em Ingolstadt, a marca alemã também tem um bar find pra contar história. Em 1953, engenheiros da DKW (uma das marcas que formam as quatro argolas da Auto Union, empresa formada em 1932 que mais tarde culminaria na Audi) foram solicitados a atender uma demanda interna: criar uma limusine para Richard Bruhn, então principal diretor da empresa.

Pegaram o último Horch (uma das outras quatro argolas) 830 BL fabricado e adaptaram às necessidades do chefe, o que incluía um vidro que dividia o motorista dos passageiros de trás e um motor 3.8 V8 de 92 cv.

Horch - Rodrigo Mora/UOL Carros - Rodrigo Mora/UOL Carros
Imagem: Rodrigo Mora/UOL Carros

Mais tarde, um soldado norte-americano alocado na Alemanha comprou o carro e o levou para casa, no Texas. (Não se sabe por quanto tempo Bruhn ficou com seu Horch customizado e por que se desfez dele). Viveriam bons momentos se o câmbio não tivesse quebrado, e trabalho que daria importar as peças desanimou o soldado, que abandonou o carro.

Daí entra na história Al Wilson, que pagou US$ 500 pelo Horch esquecido sob sol e chuva e bateu na porta da Audi, em Ingolstadt, para devolver o carro à empresa. Porém, ninguém conhecia o carro e Wilson desistiu.

Tempos depois, seus filhos retomaram a pesquisa sobre aquele Horch 830 BL e chegaram ao responsável pelo acervo do Audi Tradition - museu da marca onde o veículo repousa hoje, exatamente como resgatado do Texas.

É claro que há barn finds no Brasil também. Um dos casos mais notórios rolou em 2014, quando um caçador de raridades descobriu uma chácara em São José dos Campos abarrotada de carros nacionais dos anos 70 e 80 - Chevette, Fusca, DKW Candango, entre outros.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL