PUBLICIDADE
Topo

Mora nos Clássicos

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Por que nem a V60, auge da dinastia de peruas da Volvo, resistiu aos SUVs?

Rodrigo Mora

O blog Mora nos Clássicos contará as grandes histórias sobre as pessoas e os carros do universo antigomobilista. Nesse percurso, visitará museus, eventos e encontros de automóveis antigos - com um pouco de sorte, dirigirá alguns deles também.

Colunista do UOL

06/03/2021 07h00

(SÃO PAULO) - É uma pena que apenas 232 consumidores tenham tido a sensibilidade de entrar em uma concessionária Volvo e sair de lá guiando uma V60. Ainda mais porque a perua acaba de sair de catálogo, após dois anos por aqui: com a decisão da marca sueca de vender no Brasil apenas modelos eletrificados, estão aniquiladas suas chances de um lugar ao Sol.

Em outras palavras: com um eixo no segmento mais esvaziado do mercado nacional - o das peruas - e outro em categoria ainda bastante restrita - o de elétricos e híbridos -, a V60 multiplica por dois suas chances de insucesso.

Volvo V60 F - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Fosse a V60 uma perua de qualquer outra marca, vá lá. Apenas desistiria do mercado um excelente carro, que reúne:

- posição de dirigir impecável para quem gosta de guiar mais perto do chão.
- direção leve nas manobras que enrijece conforme a velocidade aumenta e assim agrada a gregos e troinanos.
- motor 2.0 turbo, de 254 cv e 35,7 kgfm de torque e combinado a um câmbio automático de oito marchas, que vai muito além da sua obrigação de empurrar com vigor um carro familiar.
- atmosfera de luxo que se esfrega na sua cara sem ser pedante.
- espaço interno exemplar e porta-malas de 529 litros.

volvo v60 pm - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

E que tem defeitos, também:

- a suspensão é habilidosa em pisos decentes, mas perde o jogo de cintura nos irregulares.
- realmente não há borboletas atrás do volante para trocas de marcha, teto-solar e câmera de ré, ou eu que não achei?

Volvo V60 tr - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Imperfeito como todos, excelente como poucos - e não por causa do sistema de condução autônoma (por mim, eternamente dispensável), cujo recurso mais gentil e menos invasivo é o leitor de placas de velocidade, ou pelo sistema de som com dez alto-falantes e 170 W, ou pelo multimídia Sensus com tela de nove polegadas na vertical.

volvo v60 int - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Mas sim por embalar tais e tantas qualidades em um tipo de carroceria cujo apelo não é mais apenas prático, mas também romântico. É o tipo de automóvel que deixa um buraco físico e emocional na sua garagem, quando vai embora (no meu caso, após uma semana de convívio).

Volvo V60 perf - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

E nem era tão cara assim: chegou custando R$ 199.950; partiu valendo R$ 225.950 - sempre menos do que o XC60, seu equivalente em potência, equipamentos e dimensões.

O problema é que a V60 vem de uma família tradicional de peruas, e quando um membro de uma família tradicional de peruas desiste do próprio reinado, significa que realmente não há mais reinado - ao menos no enfadonho depósito de SUVs que virou o Brasil.

Ancestrais

A árvore genealógica da V60 tem raízes na PV445 Duett, apresentada em 1953. Prática para o dia a dia e versátil no fim de semana (daí o nome, que em português equivale a dueto), seguiu até 1960, quando fora substituída pela P210 Duett, mantida até 1969. De tão emblemática, a PV445 Duett virou selo do correio sueco em 1997.

Volvo PV445 Duett - Divulgação  - Divulgação
Volvo PV445 Duett
Imagem: Divulgação

Se a PV445 Duett foi o primeiro passo, a P220 Amazon foi o grande salto da Volvo no terreno das peruas. Lançada em 1962 no Salão de Estocolmo, marcou a expansão da marca sueca para mercados estrangeiros, acentuando o apelo familiar. Mais equipada do que a Duett, se diferenciava também pela porta traseira, aberta para cima, não para os lados, como as duas da antecessora.

Volvo P220 Amazon - Divulgação  - Divulgação
Volvo P220 Amazon
Imagem: Divulgação

Tal como a elegante 1800ES, versão perua do cupê 1800 e raridade: de 1971 a 1973 somou apenas 8.078 exemplares fabricados. Item de colecionador.

Volvo 1800 ES - Divulgação  - Divulgação
Volvo 1800 ES
Imagem: Divulgação

A era das peruas quadradonas da Volvo começa com a 145, mas se populariza com a série 245, de 1974. Novo marco na história da Volvo, foi desenvolvida a partir de rigorosos requisitos de segurança que, de tão rigorosos, serviram de referência para os órgãos regulatórios dos EUA. Após duas reestilizações, se aposentou em 1993.

Volvo 245 - Divulgação  - Divulgação
Volvo 245
Imagem: Divulgação

Outras stations wagons famosas da Volvo foram os modelos 740 e 760, de 1985. Destacavam-se os motores de seis e quatro cilindros - este, quando dotado de turbo, fazia frente a esportivos da época.

Volvo 760 GLE - Divulgação  - Divulgação
Volvo 760 GLE
Imagem: Divulgação

Revelada em 1990, a série 900 personificava a segurança automotiva com itens avançados para a época, como cinto de segurança com carretel de inércia de três pontos, encosto de cabeça ajustável para o banco traseiro central e assento para crianças integrado no apoio de braço central do banco traseiro. A luxuosa série composta pelos modelos 940 e 960 marcou a separação dos Volvo da tração traseira. Motores seis-cilindros de 2,5 e 3 litros compunham a gama de topo. Em 1997, deu lugar à V90.

Volvo 960 est - Divulgação - Divulgação
Volvo 960
Imagem: Divulgação

A linha 850 marcou a estreia dos airbags laterais. E também foi um esportivo na versão 850 T5-R, equipda com um motor turbo de cinco cilindros e 240 cv. Familiar e esportiva, a perua ainda disputou o British Touring Car Championship in 1994.

Volvo 850 T5-R - Divulgação  - Divulgação
Volvo 850 T5-R
Imagem: Divulgação

Também esportiva foi a V70 R, equipada com o motor mais potente que a Volvo já havia instalado em um carro: 2.5 de cinco cilindros, turbo e gerador de 300 cv e 40 kgfm de torque. E o melhor, para os entusiastas: podia ser acoplado a um câmbio manual de seis marchas.

Volvo V70 R - Divulgação  - Divulgação
Volvo V70 R
Imagem: Divulgação

Primeira geração da V60 é de 2010. Focada no mercado europeu, sobretudo em mercados como Suécia, Alemanha, Reino Unido, Itália e Holanda, consumidores de 90% da produção da perua. Ponto alto foi a rara versão Polestar, sempre na peculiar cor azul e dotada de motor 2.0 turbo, de 367 cv e 47 kgfm de torque.

Volvo V60 Polestar - Divulgação  - Divulgação
Volvo V60 Polestar
Imagem: Divulgação

E pensar que, lá fora, a V60 acaba de ganhar nova versão Polestar.

Volvo V60 Polestar - Divulgação  - Divulgação
Volvo V60 Polestar
Imagem: Divulgação

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL