PUBLICIDADE
Topo

Peugeot 3008 mantém estilo e tecnologia, mas preço bom ficou no passado

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

02/08/2020 04h00

Quando lançou a nova geração do 3008, a Peugeot certamente contava que essa seria mais uma de suas boas cartadas para finalmente embalar as vendas da marca no Brasil. Um crossover - ou SUV como a marca considera - bastante moderno e equipado, chegou também com preço muito bom para o segmento, abaixo dos R$ 140 mil. Isso lá em 2017. Bem, mas passados três anos, a situação mudou bem em relação ao preço.

No ano passado ganhou uma versão mais em conta, a Allure, mas que perdeu alguns itens de apelo, como o carregador de celular por indução, faróis Full Led, bancos dianteiros com regulagem elétrica e massageador. Uma ação padrão para qualquer marca que precisa baratear um modelo. No caso do 3008, pelo menos o teto solar panorâmico - outro bom diferencial dele e que custava R$ 5 mil como opcional - passou a ser item de série.

Por fora, além dos faróis mais simples com iluminação halógena, perdeu o acabamento em prata na parte de baixo do para-choque frontal e na base das portas, a grade dianteira recebeu elementos verticais e o para-choque dianteiro também foi levemente redesenhado.

Saiu também da versão Allure aquela lista recheada com os modernos recursos de direção autônoma, como o que alerta e corrige a trajetória quando você invade a faixa de rolagem, mais o sistema de frenagem de emergência que pode até frear o carro sozinho.

Bom acabamento e i-cockpit aliviam frustração

Mas para consolar os possíveis fãs que ficaram frustrados com a versão menos recheada, o 3008 Allure não perdeu os seis airbags, as rodas de 19 polegadas e nem o bom acabamento interno típico dos modelos Peugeot.

Foi assim também com a boa central multimídia compatível com Apple Carplay e Android Auto e que traz tela de 8 polegadas, além da proposta oferecida pelo i-cockpit, que para muitos ainda soa diferentona, mas que a mim agrada bastante. Nele o volante é pequeno e fica posicionado abaixo do painel de instrumentos 100% digital, uma receita que realmente deixa o motorista numa condição diferente, mas bastante segura e confortável para guiar.

Aliás, na hora de acelerar, não dá para reclamar também do conjunto formado pelo motor a gasolina turbinado de 165 cavalos e 24,5 kgfm de torque - disponíveis a partir dos 1.400 rpm - e a transmissão automática de 06 marchas. É, já faz tempo que esse conjunto deixou de ser novidade, mas continua fechando bem a conta neste crossover cheio de estilo.

Preço bom ficou no passado

Até aqui tudo bem, mas conferindo os números de vendas do Peugeot 3008, fica claro que ele perdeu bastante terreno para a concorrência. Até junho deste ano, foram vendidas apenas 539 unidades, número abaixo da metade do total comercializado no mesmo período de 2019, quando vendeu 1.134 unidades. Ok, é justo dizer que a pandemia atrapalhou, como aconteceu com todos.

Mas tem outro ponto e que prometi retomar aqui: o 3008 encareceu bem e isso certamente atrapalhou ainda mais o desempenho de vendas. Afinal, há um ano o 3008 custava menos de 140 mil reais. Realidade diferente agora, onde a versão Allure tem preço a partir de R$ 184.990.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.