PUBLICIDADE
Topo

Caixa de fusíveis: pane elétrica em um carro pode ser simples de resolver

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

15/03/2020 04h00

Você entra no carro e percebe que o farol não está funcionando. Tenta ligar o rádio e nada. Antes de perder a calma ou pensar em chamar o socorro, saiba que pode ser algo muito simples: um fusível queimado.

Pequeno e barato, o fusível é um dispositivo muito importante, projetado para proteger todo o sistema elétrico do carro. Dá para dizer que ele é um verdadeiro anjo da guarda dos circuitos elétricos. Isso porque, caso ocorra uma descarga elétrica excessiva em um dos muitos componentes elétricos - o popular curto-circuito - é o fusível que vai segurar a bronca e impedir a queima de módulos e equipamentos.

Vida útil e como fazer a troca

Não dá para prever a vida útil dos fusíveis. Na prática, eles só deixam de funcionar quando recebem uma sobrecarga. Neste caso, o trabalho é realmente simples: é só substituir o fusível rompido - ou queimado - por um novo.

Os fusíveis têm cores e tamanhos diferentes de acordo com a "amperagem," ou seja, variam conforme a corrente elétrica que cada um suporta. Sabendo disso, basta abrir a caixa de fusíveis e identificar o que está danificado. Um detalhe importante envolve os automóveis mais antigos, que normalmente são equipados com fusíveis de cerâmica ou de vidro.

Mas aqui vale aquela recomendação básica: consulte o manual do seu carro. Nele dá para conferir em detalhes o mapa da caixa de fusíveis, com a localização exata do responsável por cada função, como o dos faróis, o da buzina ou do sistema de som.

Como identificar um fusível queimado

Um jeito fácil para saber quando um fusível está comprometido é se lembrar das tradicionais lâmpadas incandescentes, que deixam de funcionar quando o filamento interno se parte. Como o fusível é praticamente a mesma coisa: olhe com atenção e confira se a pequena lâmina interna da peça está partida. Caso sim, basta confirmar as especificações do fusível e comprar um novo.

Mas nunca instale um fusível com capacidade maior do que a determinada pelo fabricante; no caso de uma sobrecarga, ele deixa de cumprir sua função e certamente vai gerar o superaquecimento da fiação, uma situação que pode até provocar um incêndio.

Outra informação para você tomar nota: se depois de ter feito a substituição o fusível voltar a queimar, é hora de buscar ajuda de um profissional. Só ele vai conseguir identificar a causa da sobrecarga e resolver de vez o problema. Não insista para não aumentar o custo da manutenção.

Seja precavido

Para quem não quer ter dor de cabeça, vale um pouco de precaução. Lembre de deixar alguns fusíveis de reserva no porta-luvas do carro. Se aquela lâmpada do farol apagar bem no meio de uma viagem à noite, essa pecinha aparentemente simples certamente vai garantir o seu sossego.