PUBLICIDADE
Topo

AutoData

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Voltswagen? Por que a mentira fora de hora pegou mal para a Volkswagen

Fake news: Volkswagen não mudou de nome para "Voltswagen" nos EUA - Divulgação
Fake news: Volkswagen não mudou de nome para "Voltswagen" nos EUA Imagem: Divulgação
Leandro Alves

Neste espaço a equipe de AutoData, sob a coordenação do diretor de redação Leandro Alves, trará os bastidores da indústria automotiva, que são de extrema importância para os negócios e o futuro do setor no Brasil e no mundo. Seu próximo carro pode passar primeiro por aqui. Antes mesmo dele existir! Conheça nosso trabalho em www.autodata.com.br

Colunista do UOL

02/04/2021 10h00

O Dia da Mentira foi chato. E a culpa é da Volkswagen. Nestes vinte e tantos anos que acompanho o setor automotivo, o 1º de abril foi utilizado por diversas marcas para tornar o cotidiano da informação do setor algo mais leve, divertido. E a imprensa entrou no jogo, algumas vezes caindo na brincadeira ou simplesmente reportando a ação, a travessura da vez. Para a audiência tudo não passou de entretenimento com data marcada.

Mas, este ano, o que poderia ter sido um momento de descontração se transformou numa DR [discussão da relação] das fontes de informação com a imprensa. E isso é muito importante para o nobre leitor porque, ao fim e ao cabo, é você quem está sendo enganado.

A mudança do nome de uma das maiores marcas em um dos principais mercados globais traz consequências imediatas e cada vez mais potencializadas pela internet. Vamos assumir que você seja um investidor ou um operador da bolsa. Na segunda-feira, 29, as ações da VW subiram 4,7% por causa de uma mentira. Quantos leitores no mundo que interagiram com a notícia e fizeram negócios baseados nela serão beneficiados ou prejudicados?

Até o fechamento desta coluna a Volkswagen não havia se manifestado pelos meios oficiais, que são os comunicados dirigidos à imprensa. Este é um canal que confere credibilidade para a informação, oferecendo garantias tanto ao jornalista quanto à audiência. Sempre foi assim. Inclusive a mídia global tratou como verídica a decisão de mudar o nome para Voltswagen nos Estados Unidos porque vazou um press release, documento que oficializa as ações de uma empresa para a imprensa.

Nas mídias sociais a VW deu pouca importância à repercussão negativa e aos impactos no mundo real, tratando o assunto como uma campanha de marketing que atingiu os seus objetivos. Mas, se foi uma pegadinha do Dia da Mentira, por que todos os canais nas mídias sociais voltaram à nomenclatura original e os sites oficiais nos Estados Unidos também passaram a ostentar o logo Volkswagen justamente no dia 1º de abril? Foi uma piada que nem durou até o Dia da Mentira? Isso não tem graça nenhuma.

No mundo automotivo, o que começou como uma brincadeira se tornou tradição, principalmente nos Estados Unidos e Europa. Em 1950 circulou, em 1º de abril, foto de um ônibus com asas sobrevoando a Place de la Concorde, em Paris. A imagem foi publicada em vários jornais, que trataram com desconfiança a notícia.

As marcas passaram a publicar anúncios em jornais e revistas contando mentiras engraçadas e absurdas. Essas peças de marketing tinham o objetivo de atrair a audiência aguçando a imaginação do leitor. Em 1996 a BMW anunciou um novo recurso para toda sua linha de carros. Uma tela defletora de insetos, projetada para manter o para-brisas livre deles.

O revestimento aplicado no vidro era invisível a olho nu e fazia os insetos ricochetearem na janela, "mesmo em alta velocidade". O leitor foi convidado a saber mais sobre a tecnologia preenchendo um cupom com as seguintes opções: "Acho que as moscas grudam no meu para-brisa - quase nunca; às vezes; com muita frequência".

Muitos se divertiram em 2013 com o primeiro acessório de corte de cabelo em veículos do mundo, o HondaHAIR. Um sistema revolucionário que foi apresentado da seguinte forma: "Simples e eficiente, é uma maneira divertida de cortar o cabelo em movimento. Usando o HondaVAC no Odyssey 2014, simplesmente conecte a ferramenta de corte de cabelo ao bico e deixe a poderosa sucção do HondaVAC assumir o controle".

Existem muitos outros chistes e o Brasil até protagonizou um deles. Em 1994 a Opel lançou na Europa, em 1º de abril, uma versão limitada do Astra Copacabana. Adotando a temática da Copa do Mundo o Opel estava recheado de itens feitos para os fanáticos por futebol: tapetes especiais simulando a areia de Copacabana, bancos revestidos com tecido que reproduzem a grama do Maracanã e até um distribuidor de caipirinhas sem álcool. Sensacional.

Mas voltando à realidade... Nada mais necessário nos tempos atuais tratar de forma leve e divertida uma mentira contada no dia 1º de abril. Deveria ter sido assim nesse pandêmico 2021. Por isso aprendam: usar uma mentirinha fora desse contexto é fake news.

Mkt negativo #1. Na mesma semana da brincadeira com Voltswagen, a Volkswagen, aqui no Brasil, foi citada em relatório do Ministério Público Federal que trata da sua participação na repressão durante o regime militar [1964-1985].

Mkt negativo #2. A montadora assinou um termo de ajustamento de conduta no ano passado reconhecendo seu apoio para a manutenção do regime militar. Além da destinação de R$ 36,3 milhões para iniciativas de promoção dos direitos humanos e a ex-trabalhadores presos dentro da empresa, perseguidos ou torturados, a VW já publicou declaração sobre os fatos em jornais de grande circulação, em 14 de março.

Mkt negativo #3. O relatório começa com a seguinte frase: "Não me lembro de chorarmos pelo desaparecimento da democracia". Foi dita por Carl Hahn, diretor global de vendas à época da ditadura. Ele foi presidente do Grupo Volkswagen AG, na Alemanha, de 1982 a 1993.

Oficial, sqn. No Instagram a VW publicou algo que foi interpretado como um comunicado oficial: "O que começou como um esforço de 1º de abril deixou o mundo inteiro agitado. Acontece que as pessoas são tão apaixonadas por nossa herança quanto por nosso futuro elétrico. Então, seja Voltswagen ou Volkswagen, ter as pessoas falando sobre direção elétrica e nosso ID.4 só pode ser uma coisa boa".

* Colaboraram Marcos Rozen e Vicente Alessi, filho

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL