PUBLICIDADE

Topo

Papo Cabeça

O psiquiatra Jairo Bouer tira dúvidas sobre saúde mental


ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Por causa da religião, minha mulher não se interessa por sexo. O que faço, Jairo?

Mais Papo Cabeça
1 | 25
Siga o VivaBem no

Do VivaBem

03/02/2022 04h00

Nesta semana, o leitor conta que a esposa dele está sem "interesse sexual": "Tenho certeza que a religião dela tem um peso grande nessa história. Aguentei muito tempo, mas estou cansado. O que fazer?".

De acordo com Jairo Bouer, especialista em sexualidade, os casais podem vivenciar fases em que o sexo não é tão presente na rotina —o que é normal. "Um dos dois pode estar cansado, estressado, preocupado, com burnout ou depressão. Também existem os momentos em que um dos dois tem algum conflito na relação, o que dificulta a parte sexual".

No entanto, Bouer explica que o mais importante é que o leitor converse com a esposa para entender se é a religião mesmo que está afetando o interesse sexual dela. "Talvez, a religião esteja mascarando outras dificuldades enfrentadas por vocês", diz.

Portanto, o psiquiatra recomenda o diálogo, que o leitor possa explicar suas insatisfações, assim como a esposa dele. "Agora, se os dois não conseguirem chegar a uma conclusão, que tal pensar na psicoterapia de casal? Que faça com que os dois avaliem o que está acontecendo".

USP realiza pesquisa sobre comportamento sexual

Para entender o comportamento sexual em diversas regiões do mundo, o IPq (Instituto de Psiquiatria) do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP), ao lado de outros 45 países, está realizando um grande estudo sobre o tema. A ideia é examinar diferentes comportamentos sexuais, incluindo aspectos positivos, como a satisfação e o desejo sexual, e os negativos, como os riscos e problemas do funcionamento sexual.

Um dos questionários já está disponível e pode ser respondido até o final de fevereiro de 2022 —qualquer pessoa a partir de 18 anos pode participar: clique aqui para responder ao questionário.