PUBLICIDADE

Topo

Conexão VivaBem

Dicas para ajudar a cuidar do corpo, da mente e da alimentação de forma descomplicada


Me sinto super-homem e com melhor condição física da vida, diz Leo Bianchi

Colaboração para VivaBem

08/06/2022 15h00

No último episódio da terceira temporada do Conexão VivaBem, o jornalista Leo Bianchi conta que, durante a pandemia, abandonou a academia, passou a comer um monte de besteira e chegou a 114 kg. "Comia hambúrguer, sorvete e pizza todos os dias sem fazer exercício."

O gatilho para a mudança veio após ele se olhar no espelho sem camisa e não se reconhecer: "Comecei a me sentir mal com aquilo", diz ao lembrar dos efeitos negativos que o sobrepeso trouxe, não só à estética, mas à sua saúde, como o excesso de cansaço, a falta de ânimo e a alteração em vários exames.

Em 2021, ele iniciou um processo de emagrecimento e fez algumas mudanças na alimentação: cortou fritura, doces e parou de beber. "Fiquei xiita, oito meses sem colocar uma de gota de álcool [na boca], parei de beber, não sou muito fã de álcool, mas ele atrapalha demais. Não tem cervejinha no fim de semana, não tem golinho de vinho". Ele diz que comia nos horários estabelecidos, nas quantidades exatas, calculava e pesava as comidas e seguia à risca a dieta.

Associado aos novos hábitos alimentares, Leo voltou para a academia e treinava seis vezes por semana. Ele focava mais na musculação e menos no aeróbico: "Era meia hora de esteira sem fazer muita força para não perder massa muscular. Como o treino era muito forte, ali já queimava gordura, não ficava horas correndo". Em nove meses, ele perdeu 16 kg na balança, e mais de 20 kg de gordura.

Para manter o peso e a rotina saudável, o jornalista tem algumas estratégias: umas delas é aumentar o gasto calórico ao longo do dia para poder comer mais, como no dia da refeição livre, por exemplo. "Eu posso comer uma pizza, mas no dia da pizza sei que vou extrapolar, porque é muita gordura e carboidrato, então vou correr um pouco mais e fazer um treino mais longo. Aprendi a balancear isso e as coisas funcionam".

Praticante de musculação há dez anos, Leo gosta do esporte, mas confessa que a repetição é chata, e que se desafia para se manter motivado. "Tenho uma competição interna comigo. Será que consigo fazer uma ou duas repetições a mais nesse supino? E se eu colocar 2,5 kg ou 5 kg a mais? Fico nessa competição interna para poder me motivar", conta.

Feliz com a transformação do seu corpo aos 47 anos, Leo afirma que se sente um atleta e um super-homem. "Hoje tenho a melhor condição física da minha vida disparado. O percentual de gordura na casa de 8%, 9%. É difícil manter, mas tem que ter foco."