PUBLICIDADE

Topo

É verdade que uma lata de cerveja equivale a um pão francês?

Priscila Barbosa
Imagem: Priscila Barbosa

Thamires Andrade

Colaboração para VivaBem

19/05/2021 04h00

Quem nunca ouviu falar que a cerveja é considerada um pãozinho líquido? Do ponto de vista calórico, de fato, uma latinha e um pão têm calorias equivalentes —aproximadamente 145/150 calorias— e a comparação é muito usada por nutricionistas, especialmente para os pacientes que estão gerenciando o peso.

Essa analogia existe entre os profissionais da saúde para aumentar a conscientização sobre o impacto calórico da bebida queridinha dos brasileiros.

Afinal, é raro quem consegue consumir apenas uma latinha em um churrasco ou para matar a sede na praia. Ao contrário dos destilados, a cerveja acaba sendo consumida em maior quantidade. Portanto, enquanto comer cinco pães pode ser um exagero, tomar cinco latinhas não é incomum.

No entanto, do ponto de vista de composição nutricional, o pão e a cerveja são diferentes. Enquanto no pão, o principal ingrediente é a farinha de trigo, fonte de carboidrato, na cerveja também encontramos carboidratos, mas grande parte das calorias da bebida vem do álcool.

Caloria vazia

Como a cerveja não é fonte de ferro, cálcio, vitamina ou qualquer outro nutriente que seja essencial para o funcionamento do nosso corpo, ela pode ser considerada uma bebida de caloria vazia, ou seja, com alto valor calórico, mas com pouco ou nenhum valor nutricional.

Além disso, a composição do álcool também pode trazer malefícios ao corpo, já que o metabolismo dele no organismo é praticamente o mesmo que dos ácidos graxos das gorduras. Por isso, o consumo de bebidas alcoólicas atrapalha o metabolismo, contribui para o aumento de alterações no fígado, como a esteatose hepática (acúmulo de gordura no fígado), bem como aumenta o triglicérides e o risco de doenças cardiovasculares.

Esse aumento de gorduras no corpo é muito prejudicial especialmente para quem já está com quadro de obesidade e sobrepeso. Portanto, é pouco efetivo manter a reeducação alimentar durante a semana e acabar exagerando na cervejinha no fim de semana.

Até porque, de acordo com os especialistas ouvidos por VivaBem, é comum que a cerveja sempre venha acompanhado de petiscos, muitas vezes fritos ou gordurosos. O que faz com que o paciente aumente consideravelmente a ingestão calórica.

Desidratação e distensão abdominal

Quando tomamos cerveja também é comum ter a sensação de empachamento. Tudo isso porque a bebida libera hormônios que provocam uma distensão mecânica do estômago. Mas não podemos abrir mão de nos alimentar bem por conta disso, já que é importante comer enquanto toma bebidas alcoólicas para evitar quadros de hipoglicemia (baixa concentração de glicose no sangue).

Também há a percepção de que a cerveja é uma bebida refrescante e ideal para aliviar o calor. No entanto, ela desidrata o nosso corpo, já que o álcool acaba reduzindo a liberação do hormônio ADH (hormônio antidiurético), que regula a frequência que vamos ao banheiro.

Portanto, quando você toma cerveja, inibe a ação desse hormônio e acaba excretando mais água do que deveria. Para evitar a desidratação, a dica é nunca beber cerveja como uma forma de se hidratar e sempre consumir um copo de água a cada dose da bebida alcoólica.

Com essa medida também é possível evitar a ressaca, que acontece em partes por conta da desidratação que o álcool provoca no organismo.

Fontes: Clarissa Hiwatashi Fujiwara, nutricionista e mestre em ciências pela USP (Universidade de São Paulo) e membro do Departamento de Nutrição da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica); Glaucia Carneiro, endocrinologista e professora adjunta da disciplina de endocrinologia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo); e Ricardo Zanuto, nutricionista, profissional de educação física, doutor e mestre em fisiologia humana e biofísica pelo ICB-USP (Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo).