PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

Sociedade de Pediatria alerta para possível síndrome associada à covid-19

Segundo entidade, diagnóstico da SIM-P em crianças e adolescentes acontece "em dias ou semanas" após a infecção do Sars-Cov-2 - iStock
Segundo entidade, diagnóstico da SIM-P em crianças e adolescentes acontece "em dias ou semanas" após a infecção do Sars-Cov-2 Imagem: iStock

Do VivaBem, em São Paulo

13/08/2020 18h42

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) divulgou uma nota para alertar especialistas a respeito da obrigatoriedade da notificação ao Ministério da Saúde de casos de síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica (SIM-P).

Segundo a entidade, o diagnóstico da doença em crianças e adolescentes pode estar associado ao novo coronavírus, uma vez que acontece "em dias ou semanas" após a infecção do Sars-Cov-2.

O documento — elaborado em conjunto pelos departamentos científicos de Infectologia, Reumatologia, Cardiologia, Terapia Intensiva e Emergência da SBP — oferece informações para realizar o diagnóstico da síndrome.

"A SIM-P é multissistêmica, pois envolve ao menos dois órgãos e sistemas. Além de febre persistente, um amplo espectro de sintomas, muitos destes potencialmente graves, tem sido referido nos pacientes, entre eles: alterações cardiovasculares; renais; respiratórias; hematológico; gastrointestinais; mucocutâneo; e outras", informa a nota.

A SBP adverte para a semelhança de sintomas de outras síndromes, como a síndrome de Kawasaki, a síndrome de ativação macrofágica (SAM) e a síndrome de choque tóxico. Diante da variedade de manifestações, a entidade apresentou uma tabela com os critérios propostos pelo Ministério da Saúde para diagnosticar a SIM-P. A decisão pela hospitalização deve obedecer a vários critérios sintomáticos.

"Crianças e adolescentes com SIM-P podem apresentar rápida progressão para formas graves da doença", destaca ainda a nota. "Desta forma, o manejo oportuno em locais com infraestrutura e equipe pediátrica multiprofissional - incluindo emergencistas, intensivistas, cardiologistas, infectologistas, reumatologistas, imunologistas, nefrologistas, neurologistas, gastroenterologistas e hematologistas - assume fundamental importância para um melhor prognóstico destes casos."

VivaBem