Topo

Movimento

Inspiração pra fazer da atividade física um hábito


Movimento

Sem tempo, irmão? Invista em treinos de 30 minutos e mudanças de hábitos

iStock
Imagem: iStock

Nicola Ferreira e Fábio Oliveira

Da Agência Einstein

12/11/2019 12h36

Presentes na maioria das lojas de aplicativos, os apps de exercícios de alta intensidade representam um movimento já consolidado na maioria das academias: o fast fitness. Estudado por diversos fisiologistas, o treinamento dura no máximo 30 minutos e é feito em um regime de alta intensidade e de intercalação entre intervalos. Hoje, esse método de treino é comprovado como um dos mais benéficos para a saúde e cada vez mais está saindo das academias para ser feito nas próprias salas de estar.

As atividades são feitas a partir de HITTS, High Intensity Interval Training (Treino Intervalado de Alta Intensidade) em diversas modalidades. Os treinamentos podem ser realizados na academia, na piscina e na própria residência. Suas atividades consistem em diversos "tiros" que podem trabalhar todo o corpo ou apenas partes específicas. A American College of Sports Medicine, uma das principais associações de medicina esportiva do mundo, ranqueia a metodologia como uma das mais praticadas no mundo, apenas atrás das atividades físicas feitas por intermédio de gadgets.

Recomendado para pessoas com vida muito agitada, o fast fitness não precisa necessariamente ser feito utilizando equipamentos de ginástica. Muitos aplicativos guiam a pessoa em exercícios executáveis em casa, tanto sem utilizar nenhum objeto ou utilizando móveis e outros aparelhos domésticos. É o caso do Desafio 30 Dias Fitness, um dos aplicativos mais recomendados e mais baixados na App Store. Com exercícios de no máximo 7 minutos, o app promete auxiliar na melhora da condição física em 30 dias, propondo diversos desafios que trabalham todo o corpo. Ele registra as calorias e a duração dos exercícios, que são feitos com o objetivo de emagrecimento ou de aumento da massa muscular.

A estudante Luiza Bervian, 21 anos, de São Paulo, delega aos HIITS a melhora de seu condicionamento físico. Portadora de bronquite, diz que o fast fitness é a melhor metodologia de exercício que ela já praticou. Além do condicionamento e do emagrecimento, o fast fitness é responsável por melhorias que vão da mente até o sistema imunológico. Martin Gibala, professor da Universidade de McMaster, no Canadá, acredita que a mais importante melhora ocorre no sistema cardiorrespiratório, já que ele é um dos principais marcadores da saúde da pessoa.

A acessibilidade e a adaptação à vida agitada com um exercício físico é um dos principais aspectos que são levados em conta na hora da pessoa baixar os aplicativos. Contudo, a efetividade de cada exercício feito em casa varia muito entre as pessoas, não sendo positivo para todos. Benéfico para todo o corpo o fast fitness fornece uma aula mais prazerosa, já que existe uma questão de sociabilidade por trás. "A aula é legal também por ser um evento social. Isso, mais a energia dos professores transformam a aula em algo mais motivacional", afirma Débora Mões, 46 anos, praticante do fast fitness e moradora da capital paulista.

O fast fitness está alterando a programação de treino de muita gente, que está substituindo seu treino convencional pelos exercícios intervalados. Para Martin, "as pessoas não devem fazer um ou outro. Elas podem usar os HIITS como uma opção a mais. Nós defendemos que quanto maior a variedade de treinos, melhor para o praticante". Contudo, o fast fitness pode não ser positivo para todo mundo, já que depende muito de cada indivíduo. Esse regime de exercício é contraindicado para portadores de certas doenças cardíacas e respiratórias. Além disso, pode render, se feito de forma equivocada, problemas osteoarticulares.

A praticidade dos exercícios de alta intensidade recomendados em aplicativos permite abrirmos um leque de inúmeras atividades passíveis de serem feitas em casa ou no trabalho. Conheça algumas estratégias para mexer o corpo em qualquer lugar:

1. De degrau em degrau...

...rumo ao peso saudável. Sim, trocar o elevador pela escada do prédio, seja no condomínio ou na empresa, é uma boa opção de exercício. E ajuda a emagrecer. Subir de 5 a 10 lances de escada equivale 5 a 10 minutos de corrida, ou 2 km. É que grupos musculares como os localizados na coxa promovem um grande gasto energético.

2. Conte os passos

Essa é outra boa forma de entrar no combate ao sedentarismo. Hoje já existem aplicativos e aparelhos, como o pedômetro, que nos ajudam a contar os passos que damos. O número de passadas indica nosso nível de condicionamento:

  • Até 5 mil passos diários: sedentário
  • De 5 mil a 7 mil: insuficientemente ativo
  • De 7500 a 10 mil: ativo fisicamente
  • Acima de 12.500 passos: bom condicionamento cardiorrespiratório

Para ter uma ideia, de 10 a 12 mil passos equivalem a um trajeto de 4 km a 6 km

3. Desça um ponto antes

Para quem anda de ônibus, um jeito esperto de começar a ter mais condicionamento é descer um ponto antes e dar aquela caminhada até a casa.

4. Lembra do polichinelo?

Quase todo mundo fez exercício físico no qual se salta repetidamente, alternando a abertura de braços e pernas. Ele é simples, não exige muito espaço e supereficiente. Se você não tiver problemas articulares, pode fazer numa boa. Na primeira semana, faça de 3 séries de 15 e, nas seguintes, vá aumentando gradativamente: 3 de 20, 3 de 30, 3 de 40, 3 de 50 e 3 de 60.

5. Videogames e aplicativos

Hoje já existem até games e apps que permitem que a gente se exercite de leve. Mas isso só vale para quem não apresenta nenhum problema sério de saúde ou alguma lesão.

Fontes: Noel Oizerovici Foni, ortopedista do Hospital Israelita Albert Einstein; e Luiz Acácio Branco, educador físico do Hospital Israelita Albert Einstein.

(Fonte: Agência Einstein)

Podcasts do UOL
Ouça o podcast Maratona, em que especialistas e corredores falam sobre corrida. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Movimento