PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

Cansaço que não some após descanso? Pode ser síndrome da fadiga crônica

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

27/01/2021 10h48

Tem pessoas que sentem um cansaço intenso a ponto de não conseguir nem mesmo levantar da cama. Esse sinal pode ser a chamada síndrome da fadiga crônica.

A síndrome da fadiga crônica (SFC) —também chamada de encefalomielite miálgica ou doença sistêmica de intolerância ao esforço— é um distúrbio caracterizado por extrema fadiga ou cansaço que piora com atividades físicas ou mentais e não desaparece com o repouso.

As causas da SFC ainda não são totalmente compreendidas. Os pesquisadores especulam que os fatores contribuintes podem incluir vírus, problemas no sistema imunológico (doenças autoimunes), estresse (depressão), desequilíbrios hormonais, anemia ferropriva, hipoglicemia, mononucleose e é possível que algumas pessoas sejam geneticamente predispostas a desenvolver SFC.

A SFC é mais comum entre mulheres entre 40 e 50 anos. De acordo com o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA), aproximadamente 836 mil a 2,5 milhões de americanos vivem com SFC, e cerca de 90% deles não sabem que têm. Atualmente não há cura, mas o tratamento pode aliviar os sintomas.

Os sintomas da SFC variam de acordo com o indivíduo e a gravidade da doença, sendo o mais comum a fadiga intensa o suficiente para interferir em suas atividades diárias —esse diagnóstico deve ser feito analisando a capacidade reduzida de realizar atividades diárias normais que não melhoram com o repouso e deve durar, pelo menos, 6 meses.

Após atividades físicas ou mentais, a pessoa pode sentir fadiga extrema, o que é conhecido como mal-estar pós-esforço, podendo durar mais de 24 horas após a atividade.

A SFC também pode causar problemas de sono. Além disso, a pessoa pode ter perda de memória, concentração reduzida e intolerância ortostática —quando passa da posição deitada ou sentada para em pé causando tontura ou desmaio.

Os sintomas físicos de SFC podem incluir dor muscular, dores de cabeça frequentes, dor multiarticular (sem vermelhidão ou inchaço), dor de garganta frequente, problemas linfáticos, inchaço no pescoço e nas axilas, dor abdominal, dor no peito, tosse crônica, diarreia, tonturas, boca seca, náuseas, irritabilidade, depressão, transtornos de ansiedade, formigamento, olho seco, além da perda ou ganho de peso.

A SFC afeta algumas pessoas em ciclos, com períodos de piora e melhora. Os sintomas às vezes podem até desaparecer completamente, no entanto, ainda é possível que eles voltem —o que é conhecido como uma recaída.

Os tratamentos devem ser orientados por um médico, que conta com medicamentos e/ou tratamentos alternativos para aliviar os sintomas e mudanças no estilo de vida.

Como realizo atividades físicas se tiver SFC?

Uma das principais características da SFC é o chamado mal-estar pós-esforço. Isso geralmente significa que quando as pessoas com SFC exageram, seus sintomas podem piorar no dia seguinte ou nos próximos dias.

Pessoas com SFC, quando estão na piora do ciclo, podem não ter condições de trabalhar ou levantar da cama. Assim, treinar com SFC tem que ser de forma equilibrada, com exercícios apropriados e se a pessoa estiver sentindo-se bem o suficiente.

Algumas dicas que podem ajudar são:

  • Comece devagar: Controle o seu ritmo e gradualmente incorpore treinos na sua rotina (três vezes por semana). Se quiser começar aos poucos, inicie com atividades diárias --como limpar a sua casa, por exemplo, para sentir o seu ritmo e seus limites mentais e físicos. Para pessoas que sofrem de SFC, permanecer dentro desses limites ajudará a evitar o mal-estar. Preste atenção sempre no esforço e na posição, pois ambos pode contribuir para os sinais e sintomas. Se você começar a sentir que malhar é muito doloroso ou cansativo, pare imediatamente.
  • Opte por exercícios leves e de baixo impacto: Exercícios de baixo impacto, como caminhada, ioga, alongamento, treinamento de força (leve) e pilates são boas opções.
  • Realize exercícios sentado ou com uma leve inclinação: Pessoas com SFC sentem-se mais confortáveis com exercícios na posição sentada ou reclinada. Uma boa opção são exercícios em bicicletas estacionárias reclinadas sem resistência ou com baixa resistência.
  • Músicas que empolgam: Para pessoas com SFC pode ser difícil se concentrar, com uma boa música sua motivação pode melhorar e seu foco também, reduzindo fatores que contribuem para o estresse.
  • Opte por alimentos saudáveis: Já fiz um texto aqui sobre alimentos que aumentam fatores inflamatórios, por isso é importante uma alimentação mais balanceada, saudável e que auxilie na recuperação muscular.

Ouça seu corpo e nunca ignore seus limites. Se sente esses sintomas, procure um médico. E lembre-se, ao praticar essas mudanças de estilo de vida saudável, você está no caminho certo para melhorar a sua saúde em geral.

Referências:

Missailidis D, Sanislav O, Allan CY, Annesley SJ, Fisher PR. Cell-Based Blood Biomarkers for Myalgic Encephalomyelitis/Chronic Fatigue Syndrome. Int J Mol Sci. 2020 Feb 8;21(3):1142. doi: 10.3390/ijms21031142. PMID: 32046336; PMCID: PMC7037777.

Cairns R, Hotopf M. A systematic review describing the prognosis of chronic fatigue syndrome. Occup Med (Lond). 2005 Jan;55(1):20-31. doi: 10.1093/occmed/kqi013. PMID: 15699087.

Esfandyarpour R., Kashi A., Nemat-Gorgani M., et al. A nanoelectronics-blood-based diagnostic biomarker for myalgic encephalomyelitis/chronic fatigue syndrome (ME/CFS). PNAS May 21, 2019 116 (21) 10250-10257; first published April 29, 2019; https://doi.org/10.1073/pnas.1901274116

Mayo Clinic. Disponível em: https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/chronic-fatigue-syndrome/symptoms-causes/syc-20360490

CDC. Myalgic Encephalomyelitis/Chronic Fatigue Syndrome. Disponível em: https://www.cdc.gov/me-cfs/

CDC. What is ME/CFS? Disponível em: https://www.cdc.gov/me-cfs/about/index.html

CDC. Symptoms of ME/CFS. Disponível em: https://www.cdc.gov/me-cfs/symptoms-diagnosis/symptoms.html

CDC. Treatment of ME/CFS. Disponível em: https://www.cdc.gov/me-cfs/treatment/index.html

Fulcher Kathy Y, White Peter D. Randomised controlled trial of graded exercise in patients with the chronic fatigue syndrome BMJ 1997; 314 :1647.

De Becker P, Roeykens J, Reynders M, McGregor N, De Meirleir K. Exercise Capacity in Chronic Fatigue Syndrome. Arch Intern Med. 2000;160(21):3270-3277. doi:10.1001/archinte.160.21.3270

Institute of Medicine. Disponível em:mhttps://www.nap.edu/resource/19012/MECFS_ProposedDiagnosticCriteria.jpg

Sociedade Brasileira de Reumatologia. Disponível em: https://www.reumatologia.org.br/orientacoes-ao-paciente/sindrome-da-fadiga-cronica/

Larun L, Brurberg KG, Odgaard-Jensen J, Price JR. Exercise therapy for chronic fatigue syndrome. Cochrane Database of Systematic Reviews 2019, Issue 10. Art. No.: CD003200. DOI: 10.1002/14651858.CD003200.pub8. Accessed 27 January 2021.

Afari N, Buchwald D. Chronic Fatigue Syndrome: A Review. The American Journal of Psychiatry. 2003. https://doi.org/10.1176/appi.ajp.160.2.221