PUBLICIDADE

Topo

Saúde mental da gestante pode influenciar a do filho adolescente

iStock
Imagem: iStock
Jairo Bouer

Jairo Bouer é médico formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e bacharel em biologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Fez residência em psiquiatria no Instituto de Psiquiatria da USP. Nos últimos 25 anos tem trabalhado com divulgação científica e comunicação em saúde, sexualidade e comportamento nos principais veículos de mídia impressa, digital, rádios e TVs de todo o país.

Colunista do VivaBem

06/07/2020 04h00

Quase todo mundo já ouviu falar em depressão pós-parto. Ter sintomas como tristeza profunda, desespero e falta de esperança com um bebê recém-nascido no colo é extremamente complicado, e isso pode até afetar o desenvolvimento da criança. Mas é importante que as pessoas saibam que algumas mulheres ficam deprimidas já na gravidez, o que também pode colocar a saúde mental dos filhos em risco e não apenas na infância.

O periódico Jama Psychiatry acaba de publicar uma grande revisão de estudos, com mais de 15.500 duplas de mães e filhos, que associa a depressão perinatal (principalmente a que acontece antes do parto) ao risco de depressão na adolescência. Em outras palavras, é possível que muitos jovens sejam mais propensos ao transtorno porque suas mães enfrentaram o problema já na gravidez.

Claro que qualquer transtorno mental depende de uma série de fatores, nunca um só. Um episódio enfrentado pela mãe pode ser apenas uma parte da história. Porém, numa época em que temos visto cada vez mais jovens com sintomas de ansiedade e depressão, no Brasil e no mundo, estudos desse tipo devem ser olhados com atenção.

Antes de mais nada, vale a pena esclarecer algumas coisas. A maioria das mulheres apresenta um leve estado melancólico depois de dar à luz, que melhora por conta própria após algumas semanas. Mas quando a gente fala em "depressão perinatal", estamos nos referindo ao episódio depressivo que pode ocorrer antes do parto ou até 12 meses depois dele. Na revisão do Jama Psychiatry, pesquisadores de universidades norte-americanas, europeias e canadenses afirmam que o problema afeta de 10% a 20% das futuras mamães. Mas eles ressaltam que essa incidência pode ser mais alta em países de baixa renda, o que pode ser observado no Brasil.

A população que mais sofre com pobreza e baixa escolaridade é a mais vulnerável à depressão perinatal. E o pior: é a que tem menos acesso ao diagnóstico correto durante o pré-natal e encaminhamento para um psiquiatra. Outro fator de risco para uma mulher desenvolver o transtorno antes ou depois da gravidez é ter sofrido episódios anteriores. Em qualquer lugar do mundo, a depressão afeta mais mulheres do que homens e, mais uma vez, jovens e adultas de classes menos favorecidas têm poucas chances de receber tratamento adequado antes de engravidar.

Os estudos analisados sistematicamente pelos pesquisadores indicam que, além de todos os riscos já conhecidos pelos médicos para a mãe e a criança, a depressão perinatal pode aumentar em cerca de 70% as chances de um filho também ter sintomas depressivos. Ao se levar em conta apenas a depressão antes do parto, o risco observado foi até maior (78%). Os pesquisadores também observaram que esses adolescentes tiveram propensão maior a sofrer bullying e a ter ansiedade. E mais: eles alertam que o transtorno depressivo pode ser uma causa tratável (e nem sempre identificada) de problemas de atenção e aprendizado.

Este não é o primeiro estudo a apontar uma ligação entre a depressão na gravidez e problemas de saúde mental nos filhos. Também não será o último —outros trabalhos devem investigar o tema a fundo. Mas não dá mais para ignorar a importância de se cuidar da saúde mental, e não apenas física, das gestantes. E nesse ponto, não é só o Brasil que está aquém do ideal. Um outro estudo publicado no Jama, este mês, revela que apenas uma em cada oito mulheres que acabaram de dar à luz nos EUA ouve do médico alguma pergunta sobre sintomas depressivos. É preciso mudar a cultura não só dos médicos, mas de toda a sociedade, já que as consequências dos transtornos emocionais envolvem a todos.