PUBLICIDADE

Topo

Diversidade

Marks & Spencer se desculpa após barrar cliente transgênero em provador

Fachada da loja Marks & Spencer - Toby Melville/Reuters
Fachada da loja Marks & Spencer Imagem: Toby Melville/Reuters

De Universa, em São Paulo.

20/02/2020 15h56

Resumo da notícia

  • Marks & Spencer pediu desculpas formais a um cliente transgênero após constrangê-lo
  • Myla Corvidae nasceu com o gênero feminino e agora se identifica como não-binário
  • Cliente disse não que não tem mais vontade de frequentar a loja

A varejista Marks & Spencer pediu desculpas formais a um cliente transgênero após uma funcionária se recusar a deixá-lo usar o provador destinado a homens. Myla Corvidae, 30, nasceu com o gênero feminino e agora se identifica como não-binário.

Durante uma viagem de compras a Aberdeen, na Escócia, Corvidae encontrou vários itens na seção de moda masculina da Marks & Spencer e procurou o provador mais próximo para experimentá-los. Depois de descobrir que não havia atendente nos vestiários, Corvidae entrou e começou a experimentar os itens.

No entanto, quando foi procurar por um tamanho diferente, uma das funcionárias disse que Corvidae não poderia provar as roupas nos vestiários localizados na seção masculina.

"Ela me disse que eu não podia usar os vestiários por serem 'apenas para homens' e disse que eu precisava usar os vestiários no térreo, que são para mulheres", explicou Corvidae.

Depois de Corvidae fazer uma reclamação, um porta-voz da Marks & Spencer admitiu que a funcionária cometeu "um erro" e expressou um pedido formal de desculpas pessoalmente e por carta.

Apesar do pedido de desculpas da empresa, Corvidae disse que se sente incapaz de retornar à loja por conta do sofrimento causado pela situação.

"Com honestidade, eu não acho que o pedido de desculpas foi suficiente, não deveria ter acontecido e perdi a confiança na Marks & Spencer como uma empresa por não defender pessoas trans como eu", lamentou.

A loja disse que a empresa oferece provadores que possuem cubículos com fechaduras individuais "para garantir que cada cliente se sinta confortável e tenha a privacidade de que precisa".

Diversidade