Topo

Retratos

Instantâneos de realidade do Brasil e do mundo


Em livro, irlandesa relata envolvimento com tráfico internacional e prisão

Michaella McCollum foi presa tentando entrar com cocaína no Peru, em 2013 - Reprodução/Twitter
Michaella McCollum foi presa tentando entrar com cocaína no Peru, em 2013 Imagem: Reprodução/Twitter

Da Universa

03/11/2019 17h25

A irlandesa Michaella McCollum foi presa em 2013, ao tentar entrar em Lima, no Peru, com cocaína na mala. Passou dois anos na prisão e, agora, lança um livro contando como ela passou do trabalho como garçonete na Espanha à "mula", como são chamadas as pessoas que viajam com drogas na mala ou no corpo.

Em "You´ll Never See Daylight Again" ("Você Nunca Mais Verá a Luz do Dia", em tradução livre e sem edição no Brasil), Michaella relata seus dias como "garota comum", passando o verão trabalhando como garçonete em Ibiza, até ser abordada por um homem que lhe perguntou se gostaria de ter dinheiro rápido e fácil. "Eles não me forçaram a fazer nada", diz ela.

Michaella e outra "mula", Melissa Reid, foram presas tentando levar 11 quilos de cocaína para o Peru. Em entrevista ao site Her, da Irlanda, ela dá mais detalhes sobre a história contada em seu livro. "Se não tivesse começado a consumir drogas, não teria acabado na posição em que estava, porque andava nesses círculos e me colocava nessa posição. Quando decidi ir ao Peru, era dependente em drogas. Acho que [o vício] impactou o que aconteceu na minha vida."

"Não achava que as coisas estavam saindo do controle. Agora que estou olhando para trás, eu percebo o que estava acontecendo, diz ela, atualmente mãe de dois gêmeos recém-nascidos.

No livro, Michaella relata alguns dos piores momentos na prisão. Segundo o jornal The Daily Mail, ela era forçada a assistir cenas de sexo entre outras presas. Havia assédio de outras presas para que participasse e assistisse aos atos sexuais. Conta também que um guarda pediu que ela fizesse sexo com ele em troca de cigarro.

Ainda sobre abusos vividos na prisão, conta que, quando era forçada a passar pela ala masculina, homens tentavam apalpá-la e mostravam sua genitália às mulheres.

Retratos