Topo

Modelos amputados fazem ensaio para celebrar a diversidade e a autoestima

Da Universa

31/05/2019 17h58

Um grupo de pessoas que tiveram algum membro do corpo amputado ou nasceram com alguma deficiência física contou suas histórias de superação e posou para um ensaio fotográfico. O objetivo? Promover a diversidade e autoestima.

De acordo com o jornal inglês "Metro", uma agência chamada Zebedee Management se especializou no agenciamento de modelos inclusivos. As fotos promovidas pela empresa reuniram pessoas de 2 a 54 anos e servem como gatilho para celebrar o amor-próprio e a aceitação de seus corpos.

Segundo levantamento divulgado pelo veículo, existem cerca de 30 milhões de amputados no mundo e mais de 100 mil só no Reino Unido. Entre as histórias compartilhadas pelos modelos, estão casos envolvendo câncer, meningite e diabetes, além de acidentes de carro.

Dan, um dos fotografados, contou que as fotos são importantes para promover a autoestima e a conscientização. "Perder meu braço e meu ombro foi muito difícil. Mas é importante conscientizar as pessoas sobre as diferenças, já que é apenas quando você perde um membro, como no meu caso que sofri uma amputação traumática, que você percebe a importância e o significado de tudo isso", afirmou.

"Eu precisei amputar uma perna aos 30 anos depois de sofrer um acidente. Foi extremamente difícil ainda mais no começo dos anos 90 porque não ter uma perna era sinônimo de estranheza, anormal, esquisito. As pessoas me olhavam em choque, me julgando e se perguntavam como eu poderia viver daquele jeito e ter filhos. Aumentar a conscientização é muito importante. Nós nunca sabemos o que a vida vai nos causar. Lesões que mudam a vida são exatamente isso, mas isso não significa que sua vida acabou. A vida no século 21 é melhor para pessoas com diferenças. Eu quero mostrar à sociedade que tenho uma perspectiva positiva e autodeterminação para ser feliz. Tenho dois filhos saudáveis", completou.

Diversidade