PUBLICIDADE

Topo

Universa

Carinhoso e brincalhão, gatinho ferido em protesto se adapta ao novo lar

Hope em seu novo lar - Arquivo pessoal
Hope em seu novo lar Imagem: Arquivo pessoal

Juliana Simon

Do UOL

02/06/2017 14h25

Hope, o gatinho arremessado durante uma manifestação em Brasília, já tem uma história de superação, apesar da pouca idade (4 meses). A empresária Gladys Elisa Jager Atkinson, que adotou o bichano, conta ao UOL que a adaptação está sendo rápida.

Resgatado na quarta-feira (24), o animal passou quase duas semanas internado para recuperação e foi para a casa de Gladys somente nesta segunda (29). “No dia do evento, cheguei em casa depois do trabalho e abri meu Whatsapp e vi o recado com uma foto dele, que ele teria a perna amputada e se teria alguém que gostaria de adotá-lo. Perguntei para a minha filha Karon, contei a história, e resolvemos trazê-lo”, lembra.

Gato arremessado em manifestação em Brasília - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Hope no momento em que foi resgatado, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília
Imagem: Reprodução/Facebook

Desde o primeiro dia, Hope ganhou a casa, dorme e se alimenta normalmente, e hoje sofre com uma conjuntivite, mas não sente dor. “Ele está muito bem, é muito amado. Digo que o ganho maior foi da nossa família, pois ele é muito doce e brincalhão. Não parece que passou por um trauma”, diz Gladys.

Hope no colo da filha de Gladys - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Hope no colo da filha de Gladys
Imagem: Arquivo pessoal

Ferido durante a manifestação, teve a musculatura da pata dianteira direita bastante comprometida e a possibilidade de uma amputação ainda é grande. Como ainda é muito pequeno e frágil, é recomendado que se espere entre 3 ou 4 meses para a realização da cirurgia. Até lá, com a ajuda de muitos que se propuseram a ajudar, a família vai consultar outros veterinários para procurar mais opções.

“A gente tem recebido muitas manifestações de carinho. Repercutiu até fora do Brasil em sites e ONGs que protegem animais. Ele virou celebridade”, brinca a dona de Hope.

Hope em seu novo lar - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Sobre o nome escolhido – antes ele havia sido batizado de Tripé – Gladys afirma que o gatinho é um símbolo de esperança. “É o que nós precisamos para o Brasil, para o ser humano, para planeta, para que os animais sejam tratados com mais respeito, com carinho. Ele poderia morrer, poderia sofrer muito mais. Graças a Deus o dano não foi maior. Ele está feliz”, conclui.

Universa