Topo

Diversidade


Diante de ataques na Parada Gay, poloneses saem às ruas contra a homofobia

Reuters
Imagem: Reuters

29/07/2019 09h01

Partidos de esquerda da Polônia, de oposição ao governo, realizaram um protesto neste domingo (28) em Bialystok para condenar os ataques homofóbicos perpetrados por grupos de extrema-direita durante a primeira parada do orgulho LGBT da cidade, na semana passada.

Centenas de manifestantes participaram do ato neste domingo, muitos carregando bandeiras da União Europeia (UE) ou com as cores do arco-íris, símbolo do movimento LGBT.

Em discurso à multidão, líderes políticos de esquerda acusaram o partido governista Lei e Justiça (PiS) de fazer pouco para combater atitudes homofóbicas na Polônia. Segundo os críticos, desde que assumiu o poder, em 2015, a legenda de direita tem tolerado - e às vezes encorajado - agressões contra a comunidade LGBT.

Embora o governo polonês tenha condenado a violência registrada durante a parada LGBT em Bialystok em 20 de julho, alguns ativistas locais do partido governista foram vistos entre os agressores naquele dia.

Neste domingo, o ativista gay Robert Biedron, líder do partido progressista Wiosna (Primavera), parafraseou uma declaração famosa do papa João Paulo 2º, de 1979, e defendeu uma "mudança no rosto da Polônia" para evitar a repetição de incidentes como o ataque de "hooligans" contra a marcha do orgulho gay há uma semana.

Por sua vez, os líderes do pequeno partido de esquerda Razem (Juntos), Adrian Zandberg, e do social-democrata SLD, herdeiro do antigo Partido Comunista, Wlodzimierz Czarzasty, pediram solidariedade às vítimas da violência homofóbica.

À imprensa, muitos manifestantes criticaram a ausência na manifestação dos dois principais partidos de oposição no Parlamento, a Plataforma Cívica (PO), de centro, e o Partido Popular da Polônia (PSL), democrata-cristão, a poucos meses das eleições legislativas.

Neste sábado, protestos semelhantes atraíram milhares de pessoas em outras cidades da Polônia, pedindo mais tolerância e expressando solidariedade à comunidade LGBT.

Na capital, Varsóvia, várias centenas de manifestantes estiveram reunidas em uma praça no centro da cidade com bandeiras de arco-íris. A marcha "Varsóvia contra a violência" contou com a presença de alguns participantes da parada de Bialystok.

"A tensão está crescendo e está ligada às políticas do partido governista, que é odioso e intolerante", afirmou Marta Zawadzka, uma estudante de 17 anos que participou do protesto. Ela citou como exemplos "fazer acusações contra pessoas LGBT e pintá-las como pedófilas e pessoas más".

Em 20 de julho, a primeira parada do orgulho LGBT de Bialystok, no leste do país, foi alvo de ataques atribuídos a grupos de extrema direita. Vídeos publicados no Twitter mostram homens atacando participantes da marcha e gritando insultos homofóbicos. A polícia polonesa deteve mais de 30 pessoas em conexão com os atos violentos.

Os direitos da comunidade LGBT ganharam destaque no debate público da Polônia antes das eleições parlamentares, previstas para outubro no país.

O governo polonês tem rejeitado pedidos de reconhecimento de direitos iguais para casais do mesmo sexo, alegando que isso representa uma ameaça aos valores familiares tradicionais.

O líder do PiS, Jaroslaw Kaczynski, chegou a descrever a comunidade LGBT como uma importação estrangeira, enquanto várias câmaras municipais conservadores se autodenominaram "livres de pessoas LGBT". Muitos líderes religiosos da católica Polônia também se manifestaram contra os direitos de gays, lésbicas, bissexuais e transexuais.

A sociedade do país do Leste Europeu, onde mais de 80% da população se identifica como católica, tem sido dominada por uma postura conservadora em relação a questões LGBT.

Mas uma recente pesquisa de opinião mostrou indícios de aumento da tolerância: hoje, 41% dizem ser a favor de legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, ante os 20% registrados em 2010.