PUBLICIDADE
Topo

App


E-Título só funcionará no 2º turno para quem baixar até véspera da votação

Aplicativo e-Título disponível para download no Google Play - Lucas Carvalho/Tilt
Aplicativo e-Título disponível para download no Google Play Imagem: Lucas Carvalho/Tilt

Lucas Carvalho

De Tilt, em São Paulo

25/11/2020 18h25Atualizada em 25/11/2020 18h58

Querendo evitar transtornos como os do primeiro turno, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu "travar" o aplicativo e-Título para quem fizer o download em cima da hora, no dia do segundo turno das eleições.

Quem baixar o e-Título para Android ou iOS no próximo domingo (29) não conseguirá emitir seu título de eleitor eletrônico e, por isso, não conseguirá usar as funções básicas do app.

O aplicativo terá todas as suas funções liberadas somente para quem fizer o download até as 23h59 (horário de Brasília) do próximo sábado (28), véspera do segundo turno das eleições em 57 cidades brasileiras.

"A medida visa garantir que o usuário que precisa do serviço no domingo tenha uma melhor experiência", disse o TSE em nota. "O funcionamento do app volta ao normal a partir de segunda-feira (30)."

O e-Título serve como documento oficial a ser apresentado aos mesários no momento da votação, substituindo o título de eleitor em papel e até o RG físico. Mas também tem outras funções como:

  • Consultar local de votação;
  • Consultar débitos com a justiça eleitoral;
  • Justificar ausência.

Todas estas funções estarão desabilitadas para quem fizer o download do app no dia da votação, mas estarão disponíveis normalmente no domingo para quem já tem o e-Título instalado ou para quem baixar antes da meia-noite de sábado.

Instabilidade no primeiro turno

No primeiro turno das eleições, o excesso de downloads do app em cima da hora causou instabilidade geral. Muitos eleitores reclamaram que não conseguiam abrir o e-Título para checar informações básicas, como local de votação, seção e zona eleitoral, ou para justificar ausência.

O TSE admitiu a lentidão, mas disse que mais de 400 mil eleitores conseguiram justificar ausência usando o aplicativo antes das 8h30 do domingo. O presidente da corte, ministro Luís Roberto Barroso, também atribuiu a instabilidade ao alto volume de acessos.

"O brasileiro deixou para baixar o aplicativo hoje, então foram milhões de acessos ao mesmo tempo. Pedimos que todos fizessem o download antes, mas peço que insistam", declarou Barroso na ocasião.

Ainda segundo o ministro, os servidores do TSE tiveram sua capacidade reduzida após o ataque hacker sofrido pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) em outubro como medida de precaução.

Um dos dois principais servidores do TSE foi desligado para que, caso um deles fosse alvo de hackers, o outro estaria protegido, fora do alcance de invasores. "Esse desligamento do primeiro servidor, em medida significativa, afetou o desempenho ótimo do e-Título", explicou Barroso no primeiro turno.